CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 EXCLUSIVAS

 BUSCA

 ASSINE O BOLETIM
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ASSINATURAS
 FALE CONOSCO
 EXPEDIENTE
 PUBLICIDADE

 

  DINHEIRO PLANETA ISTOÉ
 
 

 

A epopéia das mulheres

Luciano Suassuna
Diretor de Redação

Chega às bancas, nesta semana, uma edição extraordinária de Gente. 100 mulheres do século XX traz perfis, fotos e frases de personalidades nacionais e estrangeiras que transformaram os últimos 100 anos no chamado século das mulheres. Coordenada pela jornalista Chantal Brissac, uma ativa propagandista das causas femininas, a edição especial não se limitou a pesquisar as biografias das mulheres destacadas. A equipe que produziu a revista realizou 26 entrevistas e produziu muitas das fotos publicadas. Durante o trabalho, Chantal sentiu na pele uma das grandes questões vividas pelas mulheres neste século – a dupla jornada, nos papéis de mãe e profissional. Ao marcar uma entrevista e uma sessão de fotos com a primeira prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, ela se viu sem ter com quem deixar sua filha, Désirée, de dois anos. E seguiu com ela para o encontro.

Durante o feriado da Semana Santa, o fotógrafo Rogério Albuquerque e o repórter Fábio Bittencourt usaram um recurso galanteador para convencer uma entrevistada a posar para fotos: mandaram-lhe um buquê de flores. Só assim completaram uma reportagem que, para ficar pronta, levou mais tempo que uma gestação. Desde que o jogador Ronaldo começou a namorar Milene Domingues, Gente tenta uma entrevista com a mãe dela, Lúcia Domingues. Há duas semanas, ela concordou em falar, mas se recusava a ser fotografada. O buquê de flores, entregue com um gentil bilhete, finalmente demoveu-a.

No Norte de Goiás, onde o repórter fotográfico da sucursal de Brasília, Felipe Barra, 28 anos, foi registrar o dia-a-dia dos últimos sobreviventes da tribo indígena Avá-Canoeiro, o galanteio foi invertido. Depois de oito horas de viagem até a aldeia, Felipe deparou-se com uma índia disposta a encorajá-lo a um rápido namoro. Como não falava português, a índia fazia sinais para o fotógrafo, como seguidas piscadas de olho. “Foi um choque cultural”, disse Felipe.

 


Copyright 1996/2000 Editora Três