Logo
 
Ensaio
Gianne vai à luta
A modelo Gianne Albertoni abriu mão de sete trabalhos como modelo no Exterior para estrear como atriz em Cristal, do SBT
 
Por conta das aulas de interpretação, de luta e dos
trabalhos como modelo, ela chega a dormir três horas por
noite e mantém o pique com bebidas energéticas, consumindo
até cinco latinhas por dia

Em seu primeiro desfile como modelo, em 1995, Gianne Albertoni ficou nervosa. Tratava-se de um show-room para uma grife paulistana e, ao final da experiência, ela resolveu aos 13 anos que não queria mais parar de fazer aquilo. Em maio passado, Gianne voltou a ter a mesma sensação ao desfilar na fictícia Maison Vitória, cenário da novela Cristal, do SBT. No papel da modelo Dominique, Gianne fez sua estréia como atriz ao lado de nomes como Bete Coelho e Dado Dolabella. Era a primeira gravação da trama e, passada a ansiedade inicial, ela já se sentia pronta para um novo desafio: seguir com a carreira de atriz. “A sensação foi a mesma do primeiro desfile. Mas agora não quero mais parar. Quando tenho que gravar sete cenas por dia, fico superfeliz”, conta ela.

O sonho de atuar na tevê era antigo. Na infância, Gianne brincava
de interpretar com o irmão mais velho, imaginando cenas de filmes
e novelas. “Como era a caçula, eu nunca era a protagonista”, reclama. Na trama do SBT, ela também não defende o papel
principal, mas está satisfeita em ser uma das pedras no sapato
da mocinha, vivida por Bianca Castanho. “Estou adorando fazer
a vilãzinha”, diz, referindo-se à sua personagem, uma invejosa
modelo que vive armando para derrubar as rivais de passarela.
Uma experiência que Gianne jura não ter vivenciado na vida real.
“Essa maldade podia ter nos anos 80, quando uma quebrava o
salto da outra, mas hoje não é assim”, afirma.

Aos 25 anos e modelo desde os 13 – ela despontou em uma época que as meninas não entravam tão novas no mercado e causou polêmica por causa disso –, Gianne continua sendo uma das profissionais mais requisitadas do Brasil, especialmente em desfiles de moda praia. Seu corpo de 1,80m e 57kg lhe traz sucesso e bons contratos publicitários – atualmente, empresta a imagem para o Shopping Iguatemi, lingeries Valisère e calçados Bebecê. Apesar de bem posicionada no mercado da moda, ela não hesitou frente ao convite do SBT. “Ela abriu mão de sete viagens ao Exterior, como modelo, para fazer a novela. Fiquei empolgado com a gana e a vontade que ela demonstrou”, diz Fernando Rancoletta, diretor de elenco da emissora. “Gianne tem luz própria. Se a gente não a pegasse, a Globo ou a Record não demorariam para levá-la.”

Para conciliar os trabalhos como modelo com as aulas de interpretação e as gravações da novela, Gianne chega a dormir apenas três horas por noite. E mantém o pique com bebidas energéticas, consumindo até cinco latinhas por dia, e as aulas de muay thai, uma luta tailandesa que mistura boxe, chutes e joelhadas. Ela quis aprender a lutar há cinco anos, quando uma amiga, a também modelo Amanda Salvato, foi agredida com um soco no rosto ao sair de uma agência em Paris.

Tentou praticar jiu-jítsu por influência do marido, o arquiteto
Sérgio Gobbetti, 38, com quem mora em São Paulo há quatro
anos e meio e que é faixa azul no esporte. Só que ela desistiu
depois de machucar a perna ao fazer um movimento de agarrão. “Sou muito desastrada, então optei pelo boxe tailandês, onde há menos chance de eu me machucar”, diz. Gianne também é fã de vale-tudo e já foi até ao Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, assistir a uma competição do esporte.

Hoje, porém, o SBT é o ringue de Gianne. É lá onde ela luta diariamente por espaço na nova profissão que escolheu. A exemplo da amiga Letícia Birkheuer, com quem disputou o papel da vilã Erica em Belíssima, Gianne quer vencer preconceitos e convencer como atriz. E dispara um golpe direto nas possíveis críticas: “Não há nada de errado em uma modelo atuar. Afinal, tem tantas atrizes desfilando e ninguém fala nada”.

Agradecimentos: Everlast, Fight Company Academia. Maquiagem: Adilson Vital (BLZ)