CAPA
 ÍNDICE
 BASTIDORES
 ENTREVISTA
 Seções
 URGENTE
 QUEM SOU EU?
 IMAGENS DA  SEMANA
 DIVERSÃO & ARTE
 MODA
 AGITO
 LUA DE MEL
 ACONTECEU
 TRIBUTO
 CELEBRIDADE
 TESTEMUNHAS DO  SÉCULO 
 Coluna
 EXCLUSIVAS

 

  DINHEIRO ISTOÉ
 

 

Rádio

Dicionário de gírias
Ex-aluno do professor de português Pasquale Cipro Neto cria programa de rádio e apresenta um novo colega que ensina como e quando usar gírias

Flavio Sampaio

Julio Vilela
Ferraz (esq.) e Giuseppe: a dupla Menta e Pasquale Jr. transforma as aulas do professor mais famoso do País em palhaçadas

A sala do cursinho Anglo de Santo André, em São Paulo, não impediu o estudante Ugo di Giuseppe de dar um beijo na boca da menina que ele paquerava. O único problema é que eles começaram a se beijar no meio da aula de literatura do então desconhecido professor Pasquale Cipro Neto, em 1994. “O rapazinho que está atracado com a menina lá no fundo queira fazer o favor de se retirar da sala”, disse o mais famoso professor de português da atualidade.

Sorridente, Giuseppe saiu da aula com mais uma conquista amorosa. “A mina disse que só ia me dar uns beijo se fosse naquela hora. Num perdoei”, relembra o aluno. Seis anos depois, Giuseppe, 24 anos, trabalha na rádio Mix FM, de São Paulo. Ele produz e apresenta o programa Aprenda a se Comunicar na Mix com o Professor Pasquale Júnior, uma paródia do antigo mestre. Lançado no final de fevereiro, cada quadro tem duração de 45 segundos e, por semana, dez programas inéditos vão ao ar. O melhor pulso do sucesso são as dicas e sugestões dos próprios ouvintes. “Tem vez que nóis num tem nem que inventá nada, mano. Os brother manda tudo alinhado”, diz Giuseppe, que considera Pasquale “um mala”. No programa, Pasquale Júnior é criticado pelo filho, que não se conforma com o jeitão careta e correto do pai. Diante de uma situação como o nascimento de um bebê, Júnior diria:

– Que belo rebento! Como vocês são afortunados! É um varão ou uma princesinha, hein?

É nessa hora que Menta (interpretado por Fábio Ferraz, 24 anos), um malaco, profundo conhecedor das gírias da galera, entra em ação.

– Bandidão esse joelho, hein? É uma mina ou um mano?

Para terminar a aula de conhecimentos “gírio-linguísticos”, Pasquale Júnior finaliza: “Reparou como o advérbio de delinqüência juvenil bandidão é mais moderno que rebento? E que o adjunto ortopédico joelho expressa a aparência de todo recém-nascido?” E o que o verdadeiro Professor Pasquale acha das aulas? “Nada. Nunca ouvi o programa e não tenho interesse”, afirma o mestre.

 

Copyright 1996/2000 Editora Três