Logo
 
Ensaio
Renata Dominguez garante a audiência
Renata Dominguez, que entrou para a história da Record por estar no ar no exato momento em que Prova de Amor passou o Jornal Nacional no Ibope, será protagonista da próxima trama da emissora
 
A atriz morou seis anos no Equador, onde foi dançarina em um programa de tevê e virou, como ela diz, uma espécie de Xuxa local
Se 19 de janeiro entrou para a história da Record como o dia em que a emissora superou os 35 anos de liderança do Jornal Nacional na audiência graças à novela Prova de Amor, para a atriz Renata Dominguez o dia foi importante para seu currículo. Era Pati Lopo, a personagem dela na trama, que estava em cena no momento da virada na audiência. No celular, Renata atendeu o telefonema do presidente da Record, Alexandre Raposo, parabenizando-a pelo desempenho.”Foi como uma bênção”, lembra ela. “Dá até vontade de continuar passando fome e malhando como uma louca.”

Não há qualquer exagero na declaração. Renata nunca foi tão magra, tão loira e tão sarada. Para dar credibilidade a Pati, uma socialite de 18 anos, a atriz, de 26, perdeu nove quilos. Trocou a morenice por um tom platinado. “Nunca nenhum outro personagem exigiu tanto de mim”, confessa. Recompensada, ela foi escolhida para protagonizar Bicho do Mato, novela que sucederá Prova de Amor. Para isso, terá que deixar a trama do autor Tiago Santiago antes do fim. Pintará
o cabelo e engordará quatro quilos. “Vai ser bom. Estou magra demais”, sorri.

Renata não hesita frente a novos desafios. O primeiro surgiu aos 12, quando se mudou com a família para o Equador em função da transferência do pai, Roberto, diretor da construtora Odebrecht, para aquele país. Descoberta por uma professora de dança, foi convidada a participar como dançarina de um programa. Concorreu com 300 equatorianas e venceu. Virou celebridade no país – uma nova Xuxa para os equatorianos, como ela diz. “Eles transferiram para mim o carinho que sentem por ela”, avalia.

A volta da família para o Rio, seis anos depois, provocou outra transformação. Envolvida com o teatro Tablado, recebeu o convite para ingressar em Malhação, onde interpretou Sol durante três anos. Nessa época conheceu o diretor Edson Spinello, 45, que trabalhava no seriado da Globo e hoje está na Record. Em pouco tempo de namoro, Renata dividia casa com um homem 19 anos mais velho. “Foi um choque para minha família”, revela. “Meus pais tiveram dificuldade em aceitar. Eu bati de frente, dei tudo de mim para dar certo.” Ao estresse emocional juntou-se o fim da participação no seriado, em 2003. Renata somatizou as dificuldades e passou a sofrer de taquicardia, insônia, medo de ficar sozinha e queda de pressão.

O diagnóstico foi preciso: síndrome do pânico. “Tinha ausências como esquecer quem eu era por alguns instantes, ou olhar para minha mãe e não saber quem ela era. Parecia que nada era real”, recorda. Ela superou o problema onze meses depois, em novembro de 2004. “É desesperador. Achava que estava ficando louca. Parei de viver, praticamente.” O maior auxílio veio da terapia. “É impossível sair da doença sem a ajuda de um psiquiatra. Apesar de ter sido um processo doloroso, a síndrome do pânico fez com que eu adquirisse um autoconhecimento e hoje é difícil me derrubar.”

No momento, Renata vive a calmaria de um casamento sólido e feliz com Spinello – hoje aprovado pela família. Na Record, recebe tratamento de prata da casa. “Renata é uma atriz camaleônica, versátil, inteligente, sensível e muito bela, de corpo e alma. É uma das melhores atrizes de sua geração. Quero trabalhar com ela em muitos outros trabalhos”, derrete-se Tiago Santiago, acenando com uma perspectiva de vida longa à parceria.

Estilo: Márcia Montojos Assistente de fotografia: João Luís Soares Maquiagem: Margareth Dantas para Lancôme Agradecimentos: Forum, Rosa Chá, Miquelina, Quarto de Vestir, Cantão, Phillipe Martin e Trapiche Gamboa