Logo
 
Gastronomia - Vinhos
Modernidade em Mendoza
Em 1888, duas famílias italianas chegaram em Luján de Cuyo, na Argentina, e fundaram uma vinícola que, na virada do século, bateu recorde ao vender 3 mil barris para Buenos Aires.
 
Fotos: Divulgação
Cada variedade de uva é plantada em uma altitude diferente para melhor expressar suas características

Em 1888, duas famílias italianas chegaram em Luján de Cuyo, na Argentina, e fundaram uma vinícola que, na virada do século, bateu recorde ao vender 3 mil barris para Buenos Aires. No final do ano passado, mais de um século depois, a Nieto Senetiner, nome atual da vinícola, usou a tecnologia de fotografia por satélite para conhecer melhor seus vinhedos. “O solo é heterogêneo e as diferenças das cores permitem corrigir eventuais problemas, como a fertilização”, afirma Tommy Hughes, agrônomo responsável pela vinícola.

O contraste entre a tradição e a modernidade – que em muitos casos expõe o conflito de gerações na produção de vinhos – atinge equilíbrio na produção dos vinhos da Nieto Senetiner. É o caso da microoxigenação. “Antigamente ela acontecia quando o vinho corria por canaletas até piletas de concreto. Não abandonamos as piletas. O vinho é microoxigenado no contato com as irregularidades das paredes, atualmente revestidas com epóxi”, explica o enólogo-chefe Roberto Gonzáles.

Com uma linha que contempla desde até os mais sofisticados (leia abaixo), a vinícola pretende ser a maior exportadora de vinho argentino para o Brasil nos próximos anos. “O enólogo precisa estar atento à tecnologia para adequar o estilo do vinho à mudança do gosto das pessoas”, diz Gonzáles.

Estrelas da vinícola

Fotos: DivulgaçãoA linha Cadus (Casa Flora, safra 2002, R$ 180) é a top de linha da Nieto Senetiner. Produzida apenas de safras especiais, nas versões Cabernet Sauvignon, Syrah e Malbec – a uva emblemática da Argentina –, ela recebe cuidado especial desde a vinha. A poda verde diminui a produção por hectare, o que garante maior qualidade do vinho, e a quantidade de mão-de-obra utilizada na colheita e na seleção das uvas, realizadas manualmente, é o dobro da presente nas linhas mais básicas da vinícola.