Reportagens  

Leia mais

O contra-ataque de William Bonner
 
Na época de global, Lavínia recebia R$ 8 mil. Na Record, ganha R$ 40 mil. Dos 220 profissionais que trabalham na teledramaturgia da emissora paulista, 90% vieram da Globo. “Vesti a camisa e acertei”, diz ela
• • •
Especial - Record X Globo
O sucesso de Lavínia Vlasak

Estrela de Prova de Amor, a atriz faz sua primeira protagonista e é a cara do sucesso da novela, que aumentou o Ibope da Record de 10 para 17,5 pontos no horário, terá mais 26 capítulos e comerciais do mesmo preço da Globo
texto: Rodrigo Cardoso
foto: Leandro pimentel
 Envie esta matéria para um amigo
 Ensaio: a nova musa da Record

Lavínia Vlasak estava na mira da Record há tempos. Foi convidada para o remake de A Escrava Isaura e para Essas Mulheres, mas não podia trocar o Rio por São Paulo, onde as duas tramas eram produzidas, e recusou as propostas. Prova de Amor, gravada no Rio, foi a oportunidade da atriz de mudar de status e de patamar salarial. Lavínia virou protagonista na Record, o que não conseguiu em seis anos de Globo, e trocou um salário de R$ 8 mil por um contrato de três anos ganhando R$ 40 mil mensais. Ela é a face mais visível do sucesso de Prova de Amor, que ampliou de 10 para 17,5 pontos o Ibope da Record e dobrou o faturamento para R$ 6 milhões no horário. “Vesti a camisa e acertei. Estou muito feliz”, diz Lavínia.

Ela não é um caso isolado. Renata Domingues, outra atriz da trama que também trocou de emissora, já afirmou que “prefere ser peixe maior numa lagoa menor, do que peixe pequeno em lagoa grande”. Tiago Santiago, autor de Prova de Amor, colaborador por 15 anos na Globo, repete que lá “nem em dez anos seria titular”. Todos são parte de um time de 220 profissionais – 90% vindos da emissora carioca – que fez história ao imprimir o “padrão Globo de qualidade” às produções da Record e ameaçar a hegemonia do Jornal Nacional
(leia aqui).

Um dos segredos do sucesso de Prova de Amor é ser gravada no Rio. Tudo foi viabilizado em um único dia de abril passado. Pela manhã, os executivos voaram para o Rio para adquirir os 45 mil m2 dos estúdios onde funcionavam as produções de Renato Aragão. À tarde, fecharam negócio com o dono do terreno ao lado. Às 19h, deixaram a cidade com 80 mil m2 de área, que tem quatro estúdios – serão sete
em abril.

Instalar-se no quintal da concorrente facilitou a contratação de artistas famosos e da nata da equipe técnica da Globo.“Fui seduzido pelos estúdios e pela Record estar formando um pólo de produção”, diz Marcelo Serrado. Par romântico de Lavínia, assumiu o posto após as negociações com Fábio Assunção fracassarem. Com Prova de Amor – estendida em 26 capítulos –, a Record ousará mais. “Iremos cobrar, a partir de março, o mesmo que a Globo nos intervalos da novela das sete: R$ 250 mil por merchandising de 60 segundos e R$ 167 mil por comercial de 30 segundos”, diz Walter Zagari, superintendente comercial. “Será a primeira vez que outra emissora cobra o mesmo que a Globo.”

Em março estréia Cidadão Brasileiro, de Lauro César Muniz, no segundo horário de novelas. Em julho, Bicho do Mato sucederá Prova de Amor. E negocia-se a compra dos direitos de Gabriela Cravo e Canela, que a Record quer levar ao ar em 2007 – eles desejaram Juliana Paes para o papel-título, mas ela será a protagonista da próxima novela das sete da Globo. Alice Braga, sobrinha de Sônia Braga, é uma opção.

A Record se esmera em tratar bem suas estrelas. O elenco de Prova de Amor tem motorista à disposição e portas abertas na cúpula. “Os executivos ligam para prestigiar os artistas”, conta Serrado. Lavínia aplaude essa filosofia. “Em menos de seis meses de casa, conheci o presidente, o vice e o diretor artístico. Eles dão ouvidos para todo mundo se expressar”, diz a atriz.