Diversão & arte - Livros  
Fotos: Divulgação

• • •

Fotos: Divulgação
• • •

Leia também

Cinema
Exposição
Gastronomia
Internet
Música
Teatro
Televisão
• • •
Ping-pong / Eumano Silva
“Temos uma boa parte da verdade”
Cecília Maia
Divulgação
A chegada do Exército ao Araguaia em setembro de 1972

O livro Operação Araguaia – Os Arquivos Secretos da Guerrilha (Geração Editorial, 656 págs, R$ 59) desvenda segredos guardados a sete chaves por mais de três décadas. Foram três anos de pesquisas e análise de inúmeros documentos. Assim o jornalista Eumano Silva, que conversou com Gente, e a pesquisadora Taís Morais conseguiram a verdade sobre o que aconteceu na selva do Araguaia na década de 70. A íntegra dos documentos pode ser conferida no site www.geracaobooks.com.br.

Muito já foi dito sobre o Araguaia. Que novidade o livro traz?
Não sei se toda a verdade, mas com certeza temos uma boa parte da verdade. Trata-se do maior volume de documentos exclusivos sobre o Araguaia. Documentos que as Forças Armadas ordenaram que fossem destruídos e que alguns militares guardaram.

O livro é baseado nesses documentos?
Nós utilizamos mais de mil documentos entre os já divulgados e os exclusivos e ainda realizamos centenas de entrevistas. Então fizemos um cruzamento de informações para ser o mais fiel possível aos fatos.

O que você destacaria das histórias?
Contamos com detalhes o início de tudo, quando o Exército chegou no Araguaia, e revelamos o nome dos militares que foram mortos, coisas que nunca chegaram ao público. Publicamos depoimentos prestados à polícia por ex-guerrilheiros e mostramos como o Exército descobriu grande parte das reuniões secretas dos partidos clandestinos.

E como foi?
A reunião do PC do B em 1976, por exemplo, foi descoberta pelo depoimento de um integrante do partido, o Manoel Jover Telles, que havia sido detido. Depois ele foi a essa reunião e não disse a ninguém que havia sido preso. Isso levou à queda de quase toda a cúpula do PC do B. Outro depoimento avassalador foi do principal dirigente do PC do B do Espírito Santo, Foedes dos Santos. Por causa dele, os integrantes do partido no Estado foram presos, entre eles os jornalistas Miriam Leitão e Marcelo Neto, casados na época.