14 de fevereiro de 2000
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca
 



Décio de Almeida Prado
Professor, ensaísta, autor de 13 livros e crítico mais respeitado do teatro no Brasil, "doutor Décio" morre aos 82 anos

Foto: Leonardo Carneiro

Décio de Almeida Prado era uma das poucas unanimidades no teatro brasileiro. Em seus 22 anos como crítico e 30 como professor, o "doutor Décio", como era conhecido no meio, foi saudado tanto pela perspicácia quando pelo estilo. "Irretocável e elegante", na definição da crítica Barbara Heliodora. Descendente de plantadores de café do interior de São Paulo, Décio escreveu 13 livros, como o recente História Concisa do Teatro Brasileiro (1999), e foi crítico de teatro no jornal O Estado de S. Paulo de 1946 a 1968. Poeta amador, amante do futebol, ele integrou a primeira turma da Universidade de São Paulo, onde se formou em Filosofia e Ciências Sociais. Voltou à USP como professor em 1968, ano em que abandonou a crítica teatral.
Ele morreu de enfarte na sexta-feira 4, em sua casa no bairro do Pacaembu, São Paulo, aos 82 anos. Estava diabético e com dificuldades para se locomover. Seu corpo foi cremado no cemitério da Vila Alpina na sexta-feira 4. Suas cinzas serão levadas para São Joaquim da Barra (SP), onde estão sepultadas sua mãe e sua mulher. "Foi o pedido de meu pai, que desejava ficar ao lado delas", disse Rodrigo de Almeida Prado. Deixa também a filha Sílvia e seis netos.

Luciano Heitor Beiguelman, delegado coordenador do Grupo de Operações Especiais (GOE) de São Paulo, morreu ao reagir a um assalto na quarta-feira 2 no bairro do Itaim-Bibi, aos 31 anos. Atingido por quatro tiros de pistola e metralhadora, o delegado foi levado ao Hospital São Luiz, mas não resistiu. Ele coordenava o GOE, uma equipe policial de elite de 150 homens, desde 1997. Beiguelman foi sepultado na quarta-feira 2, no Cemitério Israelita do Butantã..

Marcelo "Pirelli" Gonçalves, campeão brasileiro de boxe na categoria peso leve, morreu no sábado 5 assassinado com dois tiros quando ia de motocicleta para sua casa em Santos, aos 26 anos. Ele iria neste mês para o México treinar para a disputa do título mundial de sua categoria pela Associação Mundial de Boxe. O autor dos disparos não foi identificado. Marcelo foi enterrado no cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, que o patrocinava como boxeador.

Pablo Calvo, ator espanhol eternizado por seu personagem lacrimoso no filme Marcelino Pão e Vinho, do diretor húngaro Ladislao Vadja, morreu na quarta-feira 2 vítima de um derrame cerebral, aos 54 anos. Ele estava internado havia uma semana em uma clínica de Alicante, Espanha. Conforme seu desejo, foi cremado na quinta-feira 3. Em 1954, "Pablito" foi o escolhido entre centenas de pretendentes ao papel do menino que fala com uma imagem de Jesus e a alimenta com pão e vinho. Apesar de ter atuado em dois outros filmes, ele abandonou o cinema e tornou-se corretor imobiliário. Deixa mulher e um filho.

 

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home