Reportagens  
“Achei que seria um desafio maravilhoso para ela fazer
uma sambista gostosa, bonita
e exuberante”, diz Wolf Maya,
pai da atriz e diretor de
Senhora do Destino
• • •
Ensaio
A sensual Maria Maya

Filha do diretor Wolf Maya, a atriz foi alçada à condição de símbolo sexual ao interpretar uma sambista voluptuosa em Senhora do Destino, está casada com um homem 25 anos mais velho e conta como perdeu oito quilos em três meses
texto: Carla Felícia
fotos: leandro pimentel

Enviar para um amigo

A atriz deu o primeiro beijo aos nove anos e começou a trabalhar aos 13, mesma idade em que teve o primeiro namorado e a primeira experiência sexual
A harmonia do conjunto pegou o público de surpresa: longos cabe-
los negros – quase na cintura –, vestido colado no corpo, pernas torneadas em cima de um salto alto e samba no pé. Depois de ser
o patinho feio em várias novelas, Maria Maya debuta, graças à Regininha de Senhora do Destino, no papel de símbolo sexual. “Com esse personagem, as pessoas estão me vendo mais mulher, mais madura”, diz a atriz. Soa estranho ouvi-la dizer, aos 23 anos, que se sente como uma jovem senhora. “Fui criada no meio de adultos, sempre vivi à frente da minha época”, explica Maria, filha dos dire-
tores Wolf Maya e Cininha Di Paula.

Por essa ótica até que tem razão. A atriz deu o primeiro beijo aos nove anos. Começou a trabalhar aos 13, mesma idade em que teve o primeiro namorado e a primeira experiência sexual. Com 16, foi para Nova York, onde morou um ano com a mãe. Ao completar 18, saiu de casa para morar sozinha. Hoje, está no sétimo trabalho na tevê e casada – embora não divida o mesmo teto – com o ator Ernani Moraes, 25 anos mais velho do que ela.

“Desde nova namorava caras mais velhos, estou a caminho da terceira idade”, brinca. Sem tirar o sorriso do rosto, ela relembra o dia em que avistou Ernani no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, em julho de 2003, e se apaixonou. Os dois embarcavam para Gramado (RS), onde gravariam a novela Chocolate com Pimenta.

“Sabe aquelas histórias que a gente nunca acredita que vão acontecer com a gente? Aconteceu comigo”, recorda. “Foi amor à primeira vista. Tremi na base. Falei: ‘É ele’.” O primeiro beijo rolou naquele mesmo dia. “Achei que já estivesse aposentado em relação a me apaixonar, a sentir fortes emoções”, diz o ator, que na época saía de um casamento de 17 anos com a também atriz Denise Weinberg. “Mas a Maria entrou como um furacão na minha vida. Tentei resistir, até por causa da idade, mas não deu.”

Ernani conta que, com ela, redescobriu o prazer em programas como sair para jantar com os colegas. Maria se orgulha de ser responsável pela mudança. “Ele está mais sociável, mais seguro, mais bonito, mais jovem”, diz. “E eu me sinto mais mulher, muito bem amada, acolhida por um homem de verdade.”

Tal segurança contrasta com uma fase difícil que ela viveu na adolescência, por causa dos quilos a mais que a acompanhavam. Maria fez vários tratamentos para emagrecer, sem sucesso, e muitas vezes se sentiu infeliz, mas não a ponto de ficar deprimida. “Nunca contei com a beleza, sempre chamei atenção mais pela personalidade”, afirma. “Hoje me considero uma mulher livre, talvez mais bonita por isso.”

A boa forma invejável que a atriz exibe na tevê começou a ser construída no início do ano, com uma dieta que eliminou oito quilos em três meses. Com as sessões diárias de musculação e as aulas de capoeira, duas vezes por semana, completa-se a receita que a mantém com 51 quilos em 1,61 metro de altura. “Meu corpo está se moldando, como tudo na minha vida.”

Desde Salsa e Merengue (1996), Maria não fazia um trabalho com tanta repercussão. Estar mais uma vez numa trama dirigida pelo pai – apenas dois de seus sete trabalhos não foram comandados por Wolf Maya – não lhe traz constrangimento. “Estou na minha estrada, só que tenho um pai que é diretor da Globo e pôde me dar oportunidades, não por nepotismo, mas por confiança.”

Foi Wolf, diretor de Senhora do Destino, quem sugeriu que ela fizesse Regininha. “Maria sempre foi uma mulher linda, mas nunca esteve tão bela. Ela desabrochou”, elogia o pai. “Achei que seria um desafio maravilhoso para ela fazer uma sambista gostosa, bonita e exuberante.” A atriz achou uma loucura, mas confiou na intuição do pai. E se deu bem.

Agradecimentos: Estrela da Lapa, Atelier Schiper, Ellus, Ka, Maria
Bonita Extra, Nativa, Shop 126
Beleza: Margareth Dantas com produtos Violeta Perfumaria
Produção de Moda: Ana Hora
Assistente de Produção: Giulia Hora Roly

Comente esta matéria