Veja também outros sites:
 
   
Reportagens
Jayme de Carvalho Jr.
Ednei mora no Texas e volta ao Brasil como convidado especial de eventos: em Barretos desfilou com seu cinto de campeão mundial cravejado de diamantes

Enviar para um amigo

Carreira
Um Peão de novela
Campeão mundial de montaria de touros,
o peão paulista Ednei Caminhas já ganhou
US$ 800 mil em quatro anos de sucesso nos Estados Unidos e vai servir de inspiração
para a próxima novela das oito, América

texto: Diógenes Campanha
fotos: Jayme de Carvalho Jr.

Nascido em Indaiatuba, interior de São Paulo, Ednei Caminhas tornou-se estrela de rodeios nos Estados Unidos há quatro anos. Campeão mundial de montaria de touros, o brasileiro já acumulou US$ 800 mil (R$ 2,3 milhões) em prêmios. Na trajetória de sucesso, dois lances são memoráveis. Em 1991, a equipe da novela A História de Ana Raio & Zé Trovão, dirigida por Jayme Monjardim na extinta Manchete, foi gravar uma competição, quando Ednei fez ponta no papel dele mesmo, então peão desconhecido. Na cena, Ana Raio, personagem da atriz Ingra Liberato – na época casada com Jayme – pegou na sua mão e disse: “Você vai ter muita sorte na vida”. Doze anos depois e já consagrado, a profecia da ficção virou assunto de um jantar em Las Vegas no final de 2003. À mesa, Ednei relembrou o fato a Jayme, que ao lado da autora Glória Perez fazia novo mergulho no universo dos rodeios, tema de América, próximo folhetim das oito. “Glória pegou experiências da vida do Ednei para a novela”, conta Marcos Carmona, empresário do brasileiro.

O que não falta na vida de Ednei são lances de sorte e talen-
to que fazem dele um colecionador de vitórias. Antes de embarcar para os Estados Unidos em 2000, ele já ostentava 140 títulos – além de 17 motos e nove carros. Não demorou para surgir o primeiro convite para se aventurar na terra dos cowboys. Sem falar uma palavra de inglês, foi mais difícil se acostumar à nova vida do que vencer o desafio que o projetou nos EUA. No final do primeiro ano, Ednei superou o touro Dillinger, o mais temido da América e invicto havia dois anos. “Quando o vi, falei que montaria dez vezes em cima dele. Na quarta, ele quebrou a perna e teve que se aposentar”, lembra. Pela façanha, ganhou US$ 28 mil, que usou para comprar um sítio, onde cria 30 vacas leiteiras.

Outro feito inédito aconteceu em 2002, quando Ednei faturou por antecipação o título do PBR (Professional Bull Riders), que lhe rendeu US$ 120 mil e um cinto com fivela banhada a ouro e cravejada de rubis e diamantes. Aos 29 anos e perto de fazer o seu primeiro milhão de dólares, ele não hesita em dizer qual o seu passatempo predileto: “Pego minha família e vou gastar um pouco de dólar no shopping. Compro de tudo. Graças a Deus, hoje eu posso”. A carreira lhe permite dar uma vida confortável para a mulher Alessandra e as duas filhas, mas também fez
com que ele perdesse o nascimento da caçula, Nathalia. Alessandra quis ter a menina no Brasil. “Estava num rodeio quando ela me ligou, dizendo que ia para o hospital”, conta
ele, que perdeu a concentração e caiu de primeiro para quinto lugar. No último dia 2, ele voltou para o Texas com um de seus troféus mais valiosos: uma saudável e linda garotinha de seis meses de idade.

Comente esta matéria