24 de janeiro de 2000
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca
 

Leia também:

Televisão
Fantasia
Amor que Fica
Ed Banana
Popular

Cinema
Dogma
Gigantes do cinema

Teatro
Boca de Ouro
A Tempestade

Música

O Ser da Tempestade
Burn to Shine
Ares de Havana


Exposições

Amílcar de Castro
Os 90


Livros

Ivo Pitanguy
Sexo
Sobre a Fazenda
Heróis anônimos do Brasil


Internet

Oscar
Críticos de cinema


Cinema - Foco

Qualidade mundial
Salas ampliam o conceito de conforto e tecnologia na projeção de filmes

Foto: Divulgação

Já não se faz mais sala de cinema como antigamente. Graças a Deus. No lugar de som abafado, superlotação e dor nas costas, nas salas Multiplex o público tem encontrado um padrão mundial de qualidade, serviço e conforto - o suficiente para fazer o público trocar o aconchego do cinema em casa pela boa e novíssima sala escura. Os atrativos são muitos, a começar pelo número de salas de cinema em cada um dos novos complexos - de sete a 18. A variedade dos horários das sessões, que muitas vezem começam pela manhã e entram pela madrugada, intercaladas a cada meia hora, é outro chamariz. Mas o que faz mesmo a diferença está do lado de dentro: telas que vão de parede a parede, som dolby digital, projetores de última geração, poltronas maiores e reclináveis.

"Os complexos estão fazendo com os cinemas convencionais o mesmo que o McDonald's fez com as lanchonetes", opina Paulo Sérgio Almeida, diretor da Filme B, empresa que presta consultoria ao mercado de audiovisual. São duas gigantes do setor - uma americana e outra européia - as responsáveis pela implantação das 180 novas salas do gênero que já existem no Brasil. "É a alta tecnologia a serviço do consumidor", diz José Carlos de Oliveira, diretor geral da United Cinema Internacional, que já investiu mais de R$ 100 milhões no País desde 1997. Sua concorrente, a Cinemark, terceira empresa do setor norte-americano, não é menos ambiciosa. Também atua no Brasil há três anos, é responsável por metade do circuito de São Paulo e está prevendo faturar, só no ano 2000, mais de R$ 100 milhões.

Se até agora a renovação esteve em peso na periferia dos grandes centros - onde os imóveis são mais baratos e a oferta de salas é menor - a previsão de Valmir Fernandes, diretor presidente da Cinemark no Brasil, é de que aconteça uma invasão das áreas mais nobres das cidades, incluindo aí os shopping centers, que até agora tinham os cinemas de melhor qualidade mas já estão em minoria na lista dos 30 campeões de público de 1999: 14 são Multiplex, contra nove cinemas de shoppings e sete convencionais.
(G.M.)

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home