Veja também outros sites:
 
   
Reportagens
   
 
Fotos: Jayme de Carvalho JR.

Revelação
Laços de família
A atriz gabriela Hess estréia na televisão na série Um Só Coração como a determinada Guiomarita Penteado, sua bisavó na vida real

Dirceu Alves Jr.

 
Jayme de Carvalho JR.
Gabriela conta com as lembranças
da família para interpretar a bisavó. Na
foto menor, Guiomarita com a bisneta
no colo, ao lado da neta Sílvia, mãe
de Gabriela, e da filha Maria Sílvia

Toda noite, na série Um Só Coração, Gabriela Hess oferece motivos de sobra para emocionar sua família. Nada que se limite ao orgulho de ver a atriz paulistana de 28 anos estreando na tevê, depois de uma década de experiência no palco, mas por ela interpretar uma personagem que faz parte de sua própria história. Em
Um Só Coração
, Gabriela vive Guiomarita, irmã de Yolanda Penteado (Ana Paula Arósio), que, na realidade, é sua bisavó, e aproveita a chance para descobrir um pouco
mais dos antepassados.

Ao saber que Maria Adelaide Amaral pesquisava a biografia dos Penteado para escrever a série comemorativa aos 450 anos de São Paulo, Gabriela procurou a dramaturga. “Ela elogiou minha voz e sugeriu que fizesse um teste. Não sei se a herança familiar pesou. Digo que a sorte me buscou em casa”, conta a atriz, que, antes de ser contratada pela Globo, estava com duas peças em cartaz e trabalhava como balconista de loja para pagar as contas.

Quando Guiomarita morreu, Gabriela tinha 5 anos. Na memória da bisneta, aparece apenas uma senhora simpática, de cabelos brancos. Nenhum detalhe da personalidade. Para se sentir mais íntima da verdadeira Guiomarita, a atriz recorre às lembranças da família e também à espiritualidade. “Medito bastante e a crença no espiritismo me aproxima também do meu pai, que perdi aos 7 anos. Sinto que a própria Yolanda, tão ligada às artes, me ajuda”, diz Gabriela, que se casou há quatro meses com o astrólogo Hector Othon, 47.

Quem não esconde o orgulho com o trabalho de Gabriela é a atriz Lígia Cortez, diretora do Teatro Escola Célia Helena, onde a jovem estudou na adolescência. “Depois do curso, chamei Gabriela para dar aulas para crianças. Quando era sua professora, uma das lições que mais tentei lhe passar era que ela descobrisse o quanto era bonita. E vejo na tevê que Gabriela aprendeu isso”, diz Lígia, aplaudindo a pupila que começa a despontar.

Comente esta matéria