Veja também outros sites:
 
   
Diversão & arte - Música
   
Divulgação

Pop
Live from London
Justin Timberlake lança DVD para
manter seu reinado no mundo pop

Mauro Ferreira

 
Divulgação
Justin Timberlake: afinado, carismático,
mas sem originalidade

Há triste ironia no fato de as imprensas européia e americana estarem apontando Justin Timberlake como novo rei do pop. Ex-integrante da insossa boyband ‘N Sync, ele evocou, em seu único disco solo, Justified (2002), o som de Michael Jackson, outrora monarca, deposto quando suas excentricidades ofuscaram sua música. Embora presumivel-
mente efêmero, o reinado de Justin foi atestado quando ele arrebatou os principais prêmios do Video Music Awards de 2003 e do Europe Music Awards 2003. Uma faraônica turnê – perpe-
tuada no DVD Live from London, editado neste mês no mercado nacional – confirmou a popularidade ascendente do astro.

Isca para fãs, o DVD desaponta pela curta duração do show (pouco mais de 40 minutos). Do espetáculo, imperdoavelmen-
te editado, o vídeo traz apenas oito números. Músicas como “Rock your Body” evidenciam que a performática atuação de Justin como cantor e dançarino é calcada mesmo no desempenho de Jackson. Impressão confirmada na nova gravação, “I’m Lovin’ It”, disponível em clipe no DVD e no CD-bônus, que tem ainda dois remixes e “Worthy of”, faixa que estava escondida em Justified.

Justin é bom de palco, é afinado, tem carisma e dança bem. O CD Justified até surpreendeu positivamente pela sonoridade encorpada. O problema, como mostra o DVD, é que falta originalidade ao rapaz. O “rei” pode ser um clone de laboratório – nada impossível na volátil indústria pop. Sub Michael Jackson



As últimas do Justin
• Disposto a ampliar seu reinado, Justin faz no cinema, em 2005, o papel de um jornalista que denuncia a corrupção policial. No filme, provisoriamente intitulado Edison, o ator novato vai contracenar com Morgan Freeman e Kevin Spacey.

• O cantor tem fama de conquistador. Ex de Britney Spears, ele conquistou beldades como a atriz Cameron Diaz.

• Em 1º de fevereiro, o cantor escandalizou uma platéia americana estimada em 100 milhões de telespectadores ao desnudar os seios de Janet Jackson no Super Bowl. Pressionado, ele se desculpou publicamente pelo episódio, que alegou ter sido acidental.