Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

20/10/2003

   

Solidariedade / Liana de Moraes
Socialite em ação
Integrante do clã Ermírio de Moraes, Liana trocou o agito
das colunas sociais para dirigir 400 voluntários no Hospital
do Câncer, uma escolha que deu sentido a sua vida

Fábio Farah

 
Piti Reali
Liana, no centro, cercada de voluntárias: “Eu não ajudo ninguém.
Eles é que me fazem sentir uma pessoa melhor, mais útil”

Quando encontra tempo livre na movimentada agenda, Liana de Moraes, 48 anos, corre para o centro-cirúrgico. O interesse que poderia soar mórbido é reflexo de uma vocação de que abdicou quando se casou aos 20 anos. “Medicina e cimento não combinavam e eu preferi dar suporte para meu marido trabalhar sossegado sem se preocupar com a educação dos filhos”, conta ela, referindo-se à união com o empresário José Ermírio de Moraes Neto, sobrinho de Antônio Ermírio de Moraes, do Grupo Votorantim, o maior produtor brasileiro de cimento. Assistir a cirurgias é apenas uma das atividades que desenvolve no Hospital do Câncer A.C. Camargo, em São Paulo. E, seguramente, não é a mais importante. Há quatro anos, Liana aceitou o desafio que significou uma guinada em sua vida. Tornou-se presidente da Rede Voluntária de Combate ao Câncer Carmem Prudente, criada em 1946, que dá suporte ao hospital, fundado sete anos depois.

O convite de Ricardo Brentani, presidente do hospital, a pegou de surpresa. Sentada na varanda de sua casa de praia, Liana angustiava-se com a proposta recebida três meses antes. “Será que eu vou dar conta? Será que saberei fazer alguma coisa lá dentro?”, indagava entre lágrimas. Várias amigas argumentavam que trabalhar no hospital seria uma experiência deprimente. Talvez tivesse desistido, não fosse o forte estímulo de Mariana dos Santos, voluntária havia alguns anos na organização: “Vá que eu tenho certeza de que você irá se dar bem”. No dia seguinte, ela assumia a presidência da Rede Voluntária e passava a ter sob sua direção 400 pessoas.

A rotina de Liana mudou radicalmente. Até então, ela dedicava o tempo à vida social. Passava as tardes em aulas de ginástica, pintura e línguas e à noite freqüentava festas badaladas. Pensava até em montar um escritório de arquitetura e decoração ou uma loja, mas algo estava errado. “Sentia que não era exatamente aquilo o que queria”, diz ela. “Eu dedicava meu tempo a coisas que, na verdade, não me preenchiam. Procurava fazer o que gostava, mas nada me completava.”

O contato com o universo hospitalar teve início quando seu sogro, o empresário José Ermírio de Moraes Filho, descobriu que tinha câncer e fez questão de ser tratado no Hospital A. C. Camargo, do qual foi presidente do conselho curador durante anos. “A experiência da doença do meu sogro fez com que eu e meu marido abraçássemos essa causa”, diz Liana que perdeu o familiar em 2001. Administradora de empresas, ela supervisiona as atividades dos voluntários, cuida da captação de recursos para a instituição e coordena vários projetos, entre eles a promoção de campanhas de prevenção.

Liana considera que sua maior contribuição à frente da Rede Voluntária foi a criação do Centro de Convivência, inspirado no Sloan-Kattering Memorial Hospital que visitou em Nova York, no qual os doentes participam de diversas atividades como ioga, artesanato, pintura, cinema e sala de estética. “É tão gostoso ver a alegria dessas pessoas”, afirma Liana. Com os três filhos já adultos, sua dedicação ao hospital é tamanha que às vezes precisa cancelar compromissos com a família. “Eles entendem e sentem orgulho de mim. Hoje isso aqui é a minha vida e não consigo me imaginar longe”, confessa ela, que viveu momentos inesquecíveis. Entre eles, a emoção de ver uma criança de sete anos, que recebera um transplante, voltar a brincar depois de 15 dias de agonia. “Eu não ajudo ninguém. Eles é que me ajudam e me fazem sentir uma pessoa melhor, mais útil”, garante Liana, que encontrou nos corredores de um hospital um sentido para a vida.

Comente esta matéria
 

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 220
ENQUETE

Você acha que o
próximo Papa deve
ser um africano?

QUEM SOU EU?

BATOM E PERSONALIDADE

DANIELLE WINITS

 BUSCA

O PARCEIRO IDEAL

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua
novela preferida
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
 
| ISTOÉ | ISTOÉ DINHEIRO | PLANETA | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2003 Editora Três