Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

20/10/2003

   
 
Fotos: Felipe Barra
Pianista, Jassen aprendeu português quando serviu no Brasil entre 1982 e 1986

 

Diplomacia / Jan Gerhard Jassen
O pianista do Rei
Fã de MPB, o embaixador norueguês no
Brasil quebrou o protocolo e em vez de
oferecer um jantar formal ao presidente Lula, durante a visita dos reis da Noruega ao
País, promoveu um show de música popular

Cecília Maia

 
Fotos: Felipe Barra
Os reis, o chanceler Celso
Amorim, Lula e Marisa

Há apenas seis meses no Brasil e em seu primeiro posto como embaixador, o representante da Noruega, Jan Gerhard Jassen, 54 anos, está desafinando o coro das tradições diplomáticas em Brasília. Para a visita oficial dos reis de seu país, Harald V e Sonja, que chegaram ao Brasil no sábado 4, Jassen decidiu inovar. Ao invés de oferecer um jantar na embaixada para o presidente Lula, o chefe da nação brasileira foi recebido pelos reis no Teatro Nacional Cláudio Santoro para um show de música popular brasileira e norueguesa. Beth Carvalho, Daniela Mercury, Naná Vasconcelos e o grupo Afro Reggae comandaram a noite real na terça-feira 7, num show que será transformado em CD. A receita será revertida para o Fome Zero. “É comum as embaixadas promoverem concertos eruditos, mas nós queríamos um público mais abrangente para colaborar com esse grande projeto brasileiro que é o combate à fome”, diz o embaixador.

Deu certo. O público compareceu e o samba rolou solto
no teatro. Ninguém ficou sentado ao som de Beth Carvalho, que fez o ministro do Combate à Fome, José Graziano, re-
velar o seu lado sambista. “Até os noruegueses estão dançando”, sussurrava um funcionário da embaixada. Lula, a primeira-dama e os reis prestigiaram o show com discrição. Harald V e Sonja já conheciam o espírito brasileiro. Em
1968, eles passaram a lua-de-mel no Rio de Janeiro, quando foram apresentados à bossa-nova. Como os tempos muda-
ram e os acordes também, o embaixador enviou antes para os reis um CD de cada um dos cantores brasileiros que participaram do show.

A adesão dos músicos brasileiros ao projeto norueguês foi imediata. A começar pelo ministro da Cultura, Gilberto Gil,
que intermediou os contatos com os artistas. “Qualquer iniciativa ligada ao Fome Zero merece todo o nosso apoio”, disse o ministro, que em 1999 gravou na Noruega o CD Oslodum, numa referência a Oslo, a capital do país. É claro que esse disco faz parte da coleção brasileira do embaixa-
dor, um admirador da MPB. Fã de Caetano, João Gilberto,
Gil e Tom Jobim, Jassen conheceu a música brasileira entre 1982 e 1986, quando serviu na embaixada no Brasil. De
volta a Oslo, para não esquecer a língua, fez da MPB seu curso de português. “Mandava comprar os CDs e assim pu-
de ficar atualizado com os lançamentos”, disse ele, que
agora está descobrindo os descendentes dos cantores de que gosta, como Maria Rita, filha de Elis Regina, e Bebel Gilberto, filha de João Gilberto. Ex-professor de piano,
Jassen teve de abandonar as aulas quando decidiu ser diplomata, mas nunca deixou de tocar. Em Brasília, ele
quebra o silêncio da pacata região das embaixadas com sonatas que entram madrugada adentro.
Comente esta matéria
 
 

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 220
ENQUETE

Você acha que o
próximo Papa deve
ser um africano?

QUEM SOU EU?

BATOM E PERSONALIDADE

DANIELLE WINITS

 BUSCA

O PARCEIRO IDEAL

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua
novela preferida
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
 
| ISTOÉ | ISTOÉ DINHEIRO | PLANETA | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2003 Editora Três