20 de dezembro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca


Televisão

Assunto de família no camarim
Paloma Duarte saiu de casa aos 15 anos porque Débora pedia que chegasse cedo, mas hoje, juntas em Terra Nostra, só brigam quando a mãe faz o papel de avó

Viviane Rosalem

Foto: Pedro Agilson

Débora Duarte, 49 anos, e Paloma, 22, se encontram no estacionamento da cidade cenográfica da Rede Globo, o Projac, em Jacarepaguá, onde é gravada a novela Terra Nostra. Conversam sobre as duas filhas de Paloma, casa, trabalho e compras de Natal. No camarim, vestidas de Maria do Socorro e Angélica, igualmente mãe e filha na ficção, as duas dão seqüência à conversa. O diretor Jayme Monjardim dá o sinal de "gravando". As duas se concentram. No intervalo, o papinho prossegue. "É assim o dia inteiro", ri Paloma.

Vivendo mãe e filha pela primeira vez no vídeo, as duas trabalham em simbiose. "Na frente da minha mãe, não tenho medo de errar", diz Paloma. Para Débora, esse prazer tem uma estimulante dose de tensão: "Fico querendo me exibir para ela me admirar ainda mais". O relacionamento das duas já esbarrou em conflitos no passado. Paloma saiu de casa aos 15 anos. A gota d'água, segundo Débora, foi quando ela pediu à filha para chegar cedo em casa. "Não brigamos, mas Paloma achou que o pedido era demais", conta. Débora pensou que a filha fosse quebrar a cara e voltar para casa. Ela se mudou para um apartamento da mãe e quis pagar aluguel.

Paloma estreou no teatro aos 9 anos, no infantil Zé Adulto, Zé Criança. Aos 11, trancou a matrícula na escola por um ano para participar do seriado Armação Ilimitada. Não levava o estudo a sério nem quando freqüentou, dos 10 aos 13 anos, um colégio interno alemão em São Paulo. Parou de estudar na 8.a série. Nessa época, só via a mãe e o pai, o cantor Antônio Marcos, nas férias ou nos fins de semana.

Sua primeira novela foi em 1993, aos 16 anos, quando viveu a menor abandonada Teca, em Renascer, em 1993 - chegou a pensar em desistir da carreira, ao contracenar com Antônio Fagundes. "Ele era um mito para mim e eu chorava de nervoso, achei que seria difícil continuar", lembra. Hoje, o ator vive seu pai em Terra Nostra. Depois de deixar a casa da mãe, Paloma, que nasceu e morou em São Paulo até os 17 anos, foi atrás de emprego e conseguiu ser convidada pelo diretor Walter Avancini para trabalhar no seriado O Grande Pai, no SBT. Até então, queria ser trapezista.

A partir de Renascer, a neta de Lima Duarte mostrou ter talento, além de um sobrenome famoso. Depois de atuar na mininovela O Fim do Mundo, em 1996, foi convidada para posar nua para a Playboy. A atriz diz que hoje recusaria. "Não tenho tabus, mas sou uma mulher casada e o Marcos é ciumento", diz. Paloma e Marcos Winter se conheceram na Globo e estão juntos há três anos e meio. "Estou apaixonado por você. Quer casar comigo?", perguntou Marcos, sem rodeios, na sala de atores da emissora. Hoje, um dos sonhos da atriz é contracenar com ele. "Vou estrear uma peça em março com José Mayer e Renata Sorrah, mas quero muito trabalhar com Marcos no teatro", diz. Na tevê, ela se destacou em Hilda Furacão e Pecado Capital, quando fez o papel que foi de sua mãe na primeira versão da novela, nos anos 70.

Débora Duarte acumula mais de 30 novelas. Em 1968, já era atriz e contracenou com o pai, Lima Duarte, em O Décimo Mandamento. Com a carreira pontilhada de sucessos, sempre inspirou a filha. Paloma, desde pequena, gostava de interpretar. "Eu via aquele cotoquinho atrevido, com um olhão maquiado de preto, arrastando uma echarpe pelo corredor", conta. A filha a convocava para assistir a suas performances. Débora conta que suas crises de depressão dificultaram o relacionamento entre elas. "Como mãe, cheguei a me afastar para esconder minhas tristezas e inseguranças", diz. Desde então, Débora faz terapia.

Hoje, os conflitos entre mãe e filha só surgem quando Débora está no papel de avó. Paloma sai do sério quando vê Débora dar balas na hora errada para suas filhas - Maria Luiza, 4 anos, de seu casamento com o músico Renato Lui, e Ana Clara, 2, filha de Marcos Winter. "Ela se sente traída quando eu interfiro na educação das meninas", diz a mãe. Débora lembra que a filha sempre teve personalidade forte. "Tudo tinha que ser do jeito dela." Mas sempre tiveram um diálogo franco. "Já usei drogas, mas não deixei de prevenir minhas filhas quanto à gravidade do vício", conta Débora. Espelhada na mãe, Paloma pretende agir da mesma forma. "Não tenho a ilusão de que minhas filhas não vão experimentar nada, ou que só vão transar depois do casamento", diz.

Envie esta página para um amigoNa adolescência, Paloma foi obrigada pelo pai a mastigar um maço de cigarro quando flagrada fumando. "Não adiantou, porque mastiguei os 19, mas acendi o vigésimo", diz. Paloma tem três irmãos por parte de pai - Amanda, 27, Aretha, 25, filhas de Antônio Marcos com Vanusa, e Pablo, 14, filho dele com uma modelo. Do lado da mãe, há Daniela, 24, filha de Débora com Gracindo Jr. A atriz também quer uma grande família. Com Marcos Winter, planeja mais três filhos.

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home