Veja também outros sites:
Home •• Revista  
Entrevista

12/05/2003

   
Leandro Pimentel

“São raras as vezes em que leio um
livro de autor novo, mesmo internacio-
nal. Não tenho curiosidade. Se surgir um Shakespeare, ou um novo Cervantes, azar o meu”

CONTINUAÇÃO
E o que tem escrito ultimamente?
Acompanha
novelas hoje?
  
Por que ficou sete anos num seminário?
 

 

Carlos Heitor Cony
““Se fosse padre, seria
um homem melhor”

continuação
 

Por que retomou o assunto?
Trabalhei junto com a Ana Lee em livros infanto-juvenis
e ela descobriu isso mexendo em papéis meus. Pediu licença para continuar e eu dei. Ao todo, foi um ano de pesquisas
em que a Ana viajou bastante e entrevistou muita gente. Tivemos a colaboração de parentes do Lacerda, do Jango e dos principais amigos do JK.

Como foi sua experiência com as novelas de televisão?
Fiz três projetos como diretor de teledramaturgia da Rede Manchete. Na Marquesa de Santos, fiz os primeiros capítulos, mas não tinha saco para aquilo. Escrever todos os dias não
sei quantas páginas de “oh, eu te amo!”, “não, não faça
isso!”, “recua!” (risos). Nada contra quem escreve, mas
não tenho paciência. Passei os capítulos para o Wilson
Aguiar e ele continuou.

E os outros dois projetos?
Fiz o projeto de Dona Beija e depois o Adolfo Bloch, dono da Manchete, deu a idéia e o título de Kananga do Japão, mas ninguém sabia o que era Kananga. Só a Dercy Gonçalves se lembrou que era o perfume usado pelas prostitutas cariocas na Praça Onze. A novela contou a história do Brasil de 1929 a 1939 através de uma gafieira. Foi um sucesso e o ponto alto talvez tenha sido a entrega de Olga Prestes (mulher de Luís Carlos Prestes) aos nazistas por Getúlio Vargas. O próprio Prestes me telefonou várias vezes para dar sugestões.

Acompanha novelas hoje?
Não tenho paciência. Não assisti nem às
novelas em que trabalhei.

O que acha da adaptação de obras literárias para a televisão e o cinema?
Do ponto de vista do mercado é muito bom, mas de resto
não acrescenta em nada. Estão aí os exemplos de obras
que foram desvirtuadas, como a Gabriela do Jorge Amado. Paulo Coelho também teve um livro, Brida, que virou novela
na Manchete e não foi bem.

Gostaria que uma obra sua virasse novela?
Não. Uma época o pessoal do cinema me pedia os direitos
e eu dava. Um filme, Antes, o Verão, foi mais ou menos, o outro – O Homem em Sua Jaula, baseado no romance Matéria de Memória – foi um desastre, mudou tudo. Existem três roteiros para cinema de um romance meu, Pilatos, preparados por três grupos, inclusive uma peça de teatro, mas fico meio assim porque acho que se quisesse fazer teatro ou cinema,
eu faria. Ninguém me proibiu. Como ninguém me obrigou a
fazer literatura, fiz porque quis. E não faço cinema e teatro porque não gosto.

Não venderia mais os direitos de uma obra?
Se fizer isso vou botar o dinheiro no banco e não vou
querer nem saber do que será feito da minha obra. Há
pouco tempo o (cineasta) Ruy Guerra quis fazer o Quase Memória, dizendo que a história lembrava muito o pai dele. Vendi pra ele, mas sugeri que ele fizesse um roteiro sobre
o pai dele, e não sobre a história do meu pai.

Destaca algum novo valor na literatura?
Depois de certo ponto passei a me dedicar mais à releitura do que à leitura, sem desprezo pelos novos escritores. Hoje são raras as vezes em que leio um livro de autor novo, mesmo internacional. Não tenho essa curiosidade. Prefiro visitar meus ídolos freqüentemente, fico no meu Machado de Assis, meu Eça de Queiróz, meu Flaubert. Se surgir hoje um novo Shakespeare, ou um novo Cervantes, azar o meu.

1 |2 | 3


Comente esta matéria
 

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 197
ENQUETE
Aline Moraes e Paula Picarelli interpretam as jovens homossexuais Clara e Rafaela que enfrentam o preconceito em Mulheres Apaixonadas.
O que você acha
do tema ser tratado
na novela das oito?
:: VOTAR ::
 
QUEM SOU EU?
 
FÓRUM
 BUSCA

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua
novela preferida
TESTE
Você é Beijoqueiro ?
Engana-se quem pensa que beijo não define uma conquista. Descubra se você domina a arte de seduzir com os lábios!
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
 
| ISTOÉ | ISTOÉ DINHEIRO | PLANETA | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2003 Editora Três