13 de dezembro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão
Zapping
Mais Você
Dia dos baixinhos

Cinema
Stigmata
Vinte Encontros
Natal em vídeo
Patricia Arquette

Exposição
Chivas Synergies Art
Cerâmicas de Picasso
Jorge Guinle - Coleção Marcio Espindula

Música

Puro Prazer
Simbora
Reginaldo Rossi
Milton histórico


Livros

Jorge Luís Borges, Esplendor e DerrotaPoesia para os ouvidos
Xuxa - Coleção Gente do Século
A vida na tevê


Internet

Papai Noel
Nus atléticos


Música - Pop

Simbora
Sete produtores musicais agregam modernidade ao caldeirão étnico de Daúde

Guga Stroeter

Foto: Divulgação

Simbora, o novo CD de Daúde, contém 14 remixes assinados pelos produtores Dudu Marote, Will Mowat, BiD, Tuta Aquino, Carlos Trilha, Fernando Morello e pelo saudoso Suba. Tudo é coerente no álbum desta cantora, que fez apenas radicalizar o seu caminho artístico vinculando a música ao prazer de dançar.

O repertório fundamentalmente brasileiro, que recria canções dos tropicalistas Gil e Caetano, traz também Carlinhos Brown e Luiz Tatit e ainda investe numa viagem ao sertão, retomando o compositor Patativa do Assaré e pregões de embolada nordestina. A essência do trabalho, portanto, é alimentada pelo folclore, que, por sua vez, ao ser processado por samplers e computadores, ganha a dimensão da world music étnica e passa a dialogar com a cítara indiana, os tambores da África e os melismas do canto árabe. Temos então uma conexão entre o mourisco e o sertão nordestino, que nos leva a vínculos culturais ainda mais profundos.

Daúde recorre também aos revivals e, como tantos outros artistas atuais, tem como "música de trabalho" uma versão para o português de "Venus", canção dos anos 70 que habita o inconsciente coletivo das boates. O que interessa é a festa, é levar todas essas informações para a transe cinética das pistas de dança, objetivo plenamente alcançado neste trabalho.

Os efeitos de mixagem de Simbora fundem definitivamente a MPB ao techno e sinalizam a tendência recente do reconhecimento dos produtores musicais e DJs como artistas criativos imbuídos de identidade e autonomia.
Dance étnico

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home