13 de dezembro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão
Zapping
Mais Você
Dia dos baixinhos

Cinema
Stigmata
Vinte Encontros
Natal em vídeo
Patricia Arquette

Exposição
Chivas Synergies Art
Cerâmicas de Picasso
Jorge Guinle - Coleção Marcio Espindula

Música

Puro Prazer
Simbora
Reginaldo Rossi
Milton histórico


Livros

Jorge Luís Borges, Esplendor e DerrotaPoesia para os ouvidos
Xuxa - Coleção Gente do Século
A vida na tevê


Internet

Papai Noel
Nus atléticos


Livros - Biografia

Jorge Luís Borges, Esplendor e Derrota
Companheira de 30 anos conta a vida afetiva e intelectual do poeta

Heitor Ferraz

Ainda é muito difícil escrever sem emoção a biografia do genial poeta argentino Jorge Luís Borges, que morreu em 1986. Muitos dos personagens continuam vivos, muitas passagens de sua vida permanecem obscuras, sem que se saiba ao certo quem está falando a verdade. Em Jorge Luís Borges, Esplendor e Derrota, de María Esther Vázquez (Record, 352 págs., R$ 40), fica patente a dificuldade, apesar do livro ser envolvente e colocar o leitor no miolo da vida afetiva e intelectual de um dos maiores escritores que já apareceu no mundo.

Vázquez não esconde sua paixão pelo poeta, com quem viveu por mais de 30 anos, como amiga e colaboradora em alguns de seus livros. Porém, ela procura ao máximo manter a objetividade de sua narrativa, relatando o nascimento do escritor, "num dia frio e chuvoso de agosto de 1899", na casa de sua avó, e mostrando com grande riqueza de informações a vida familiar de Borges - sempre acompanhado por seu pai, sua mãe e sua irmã Norah. Leonor Acevedo, mãe do poeta, era uma mulher incrivelmente forte, sempre ao lado do filho, ajudando-o principalmente quando ele começou a perder a visão. Foi, ao lado de Norah, uma das primeiras assistentes, anotando poemas que ele ditava.

Claro que sobram farpas para Maria Kodama, a última mulher do poeta (Borges casou-se três vezes e foram três casamentos turbulentos). Kodama surge como uma espécie de Yoko Ono (mulher de John Lennon que, segundo o folclore, foi responsável pelo rompimento dos Beatles). Ela estudava língua anglo-saxônica com Borges, foi seu braço direito nos últimos anos de vida e acabou por afastá-lo dos amigos, menos de Bioy Casares, outro grande escritor argentino. Vázquez chega mesmo a dizer que Kodama, quando organizou a Obra Completa de Borges, tirou todas as dedicatórias para mulheres que havia nos poemas do escritor.

De qualquer forma, Esplendor e Derrota pode ser lido como um riquíssimo depoimento sobre a vida desse Homero do século 20, um poeta cego que revolucionou a literatura de nosso tempo.
A mulher do poeta

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home