Veja também outros sites:
Home •• Revista  
Entrevista

05/08/2002

   
Adriano Machado/Photo Agência
“Ela é dona do nariz dela, é séria, confiável e eu conheço a minha mulher. Não tenho ciúmes”, diz Camata
CONTINUAÇÃO

O senhor está sentindo falta da Rita?

Se o Serra e a Rita não ganharem tudo volta a ser como antes?
Em casa a Rita é brava?

 

Gerson Camata
“A Rita sumiu”
O senador pelo Espírito Santo conta como é dura a vida de marido de candidata a vice-presidente

Cecília Maia

 

Em 36 anos de vida pública, o jornalista e economista Gerson Camata, 61 anos, foi deputado, governador do Espírito Santo e senador. Nos últimos tempos, contudo, ele ganhou notoriedade por ser o marido de Rita Camata, a candidata a vice-presidente na chapa de José Serra. O casal é filiado ao PMDB e tem dois filhos, Enza Rafaela, de 16 anos, e Bruno, de dois anos. Com as seguidas viagens que fazem parte da maratona de campanha da mulher, o senador tem se virado como pode com os afazeres domésticos. Na quinta-feira, 25 de julho, ele recebeu Gente em seu gabinete, no Congresso Nacional. Numa entrevista emocionada, interrompida em três ocasiões pelo choro, Camata revelou que, neste ano, iria abandonar a política para se dedicar à família, mas a candidatura da mulher virou sua vida de cabeça para baixo.

Com a campanha, como ficou sua vida doméstica: já aprendeu a trocar fraldas e a fazer a comidinha do Bruno?
Ficamos em Vitória desde o início das férias escolares porque lá as irmãs da Rita me ajudam. A Kátia ficou 15 dias lá em casa e agora está a Geisa. A nossa decisão é a de voltarmos todos para Brasília, e vamos ver se dá para trazer uma das irmãs da Rita porque aqui é um eixo, um lugar onde Rita pode passar sempre que for de um lugar para outro, durante a campanha. É difícil para ela parar em Vitória. Em Brasília ela pode ficar um pouquinho mais com as crianças.

O Bruno está sofrendo muito com a falta da mãe?
A Rita é uma mãe agarrada com o neném. Ela dormia com ele, fazia a comida dele, brincava com ele e de repente a Rita sumiu. Ficou danado. Quando ela chega, ele agarra nela e não solta mais. Quando ele percebe que ela trocou de roupa e vai sair é um problema sério. Ele fala: “Mamãe não, mamãe não”. Até comigo ele está assim. Quando eu pego a pasta ele diz: “Papai, baiá não” (“Papai não vai trabalhar não”). Ele sente muito. Dói o coração. Eu telefono o tempo todo e a Rita também, mas não pode falar com ele se não é um chororô. Outro dia a Rita ligou para lembrar a babá de levá-lo ao dentista. É tudo muito triste porque essa é a fase mais bonita de uma criança e você perde. Mas a vida é assim mesmo... (encerra a resposta com olhos vermelhos e marejados).

O senhor fica emocionado só de falar nisso.
Eu gosto muito dele, e a Rita também... (as lágrimas começam a descer no rosto).

O senhor está sentindo falta da Rita?
Não, mas ele sente e eu fico assim por causa dele (o senador se levanta e vai ao banheiro assoar o nariz. No caminho continua falando). Um político não deve se emocionar, não é? (De volta ao gabinete) Logo agora que eu estava me preparando para deixar a vida pública, me aposentar, acontece isso tudo.

Próxima >

Comente esta matéria
 
Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 157
ENQUETE
O senador Gerson Camata, marido de Rita Camata, candidata a vice de Serra, queixa-se que ela sumiu de casa e o filho de dois anos chora muito a sua falta. Você acha que ela deveria renunciar à candidatura?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
Paulo Coelho foi eleito membro da ABL por estar na lista dos mais vendidos em todo o mundo, mas a crítica sempre perseguiu o mago. E você? Lê Paulo Coelho? O que pensa a respeito? Dê sua opinião
 
 BUSCA

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua novela preferida
JOGOS
Monte sua alma-gêmea e ganhe um papel de parede para seu computador
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três