Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

03/06/2002

   
 
Conheça os casos relatados no livro
 
Antonio Carlos Monteiro Gallo
LEIA MAIS
Raul Fernandes
do Amaral Street
LEIA MAIS
Dorinha Duval
LEIA MAIS
Lindomar Castilho
LEIA MAIS
Paula Thomaz e Guilherme de Pádua
LEIA MAIS
Igor Ferreira da Silva
LEIA MAIS
Antônio Marcos Pimenta Neves
LEIA MAIS
 
LEIA MAIS:
Ping-Ping com
Luíza Nagib Eluf
“Talvez eu absolvesse a Dorinha Duval”

 

Capa
Paixão condenada
Livro inédito de procuradora de justiça, antecipado com exclusividade por Gente, radiografa os 14 crimes passionais mais famosos do País, cria polêmica entre parentes das vítimas e conclui que o que motiva crime passional é a relação de poder do assassino com a vítima

Juliana Lopes;
Colaborou Luís Edmundo Araújo

 
Piti Reali
A procuradora Luiza Nagib Eluf levou três anos para concluir livro e foi contestada por Glória Perez, mãe de Daniella Perez, assassinada em 1992: “O crime envolvendo minha filha não foi passional”, diz a autora de novelas

“Matei por amor.” A frase saiu, dramática, da boca do paulista Raul Fernandes do Amaral Street, o Doca Street, e foi dita à imprensa. Horas depois de um julgamento e sob aplausos, Doca caminhou sem culpa pelo chão de um tribunal de Cabo Frio (RJ), em 1979. Fora absolvido do assassinato da namorada Ângela Diniz, com três tiros no rosto e um na nuca. Dois anos depois, a promotoria recorreu e o slogan “quem ama não mata”, repetido à exaustão por militantes feministas que acompanhavam o segundo julgamento, foi decisivo para a vitória contra a impunidade. Em decisão histórica, transmitida pela tevê, Doca foi para a cadeia. Desde então, os crimes passionais passaram a ser julgados com um olhar menos machista. Em seu primeiro julgamento, Doca alegou “legítima defesa da honra”, por sentir-se traído pela companheira. Como ele, até meados do século passado, criminosos foram absolvidos baseando-se nesse argumento, pelo qual o homem podia ser perdoado por executar a mulher adúltera. O pai da atriz Maitê Proença, que matou a esposa, Margot Proença, valeu-se da mesma idéia machista para ser absolvido.

A história de Doca Street e a do pai de Maitê foram pesquisadas pela procuradora de Justiça do Ministério Público de São Paulo Luiza Nagib Eluf. Em três anos, ela levantou os 14 crimes passionais mais famosos do País e os reúne no livro Paixão no Banco dos Réus, que será lançado em 10 de junho pela Editora Saraiva. “A paixão que denota o crime passional é crônica, obsessiva e nada tem a ver com amor”, diz ela. “Pode ter havido amor em algum momento, mas o que mata é o ódio, o ciúme doentio, a possessividade, a sensação de poder em relação à vítima.”

Antes de chegar às livrarias a obra, antecipada com exclusividade por Gente, já causa polêmica. A escritora Glória Perez, mãe da atriz Daniella Perez, morta em 1992, com 18 facadas dadas pelo ator Guilherme de Pádua – que contracenava com Daniella e cujo personagem era apaixonado pelo de Daniella – e a então mulher dele, Paula Thomaz, diz que o crime contra sua filha não é passional, como foi citado no livro. “Crime passional é cometido sob violenta emoção. Nesse caso, no dia do crime, o assassino estava gravando e perguntou ao produtor que espaço de tempo teria entre um cenário e outro”, diz Glória. “Depois, busca a mulher em casa, a esconde sob um lençol, adultera a placa do carro, espera Daniella na saída do estúdio e a embosca num posto de gasolina. Quer dizer: preparou-se o dia todo para ter um descontrole com hora marcada?”

Prensa Três
Doca Street e a namorada Ângela Diniz na praia: ele a matou com três tiros

A procuradora diz que, no caso de Pádua, apesar de não haver envolvimento comprovado, ele era obcecado por Daniella, sentiu ódio e quis eliminá-la. “Em geral os assassinos não se descontrolam de repente, já estavam cogitando a violência. Todos os crimes passionais que citei foram premeditados. Pode haver a ‘violenta emoção’ (presente no artigo 121 do Código Penal) que ameniza a pena, mas é raro”, diz.

Quando não premeditado, o crime passional é cometido por uma pessoa em um estado de extrema emoção e que, segundo o psiquiatra Sérgio Rigonatti, do Instituto de Psiquiatria da USP, pode durar até 24 horas: “O teor da crítica cai, a pessoa perde a referência e age como animal”. Mas a autora do livro enfatiza: “A paixão só serve para explicar o crime, não para perdoar”.

Próxima >

Comente esta matéria
Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 148
 
ENQUETE
Milú Villela diz: "É in fazer alguma coisa pelo País, é totalmente out não fazer nada". E você? Faz algum trabalho voluntário?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
"Os homens sempre quiseram mandar nas mulheres, por isso se viram no direito de matar." declara a procuradora Luiza Nagib Eluf. O que você pensa a respeito dos crimes passionais? Dê sua opinião
 
 BUSCA

LEIA TAMBÉM
 

Dupla dinâmica
Ex-sócio de Serra fez dobradinha com Ricardo Sérgio em operações fraudulentas

Teste
Como anda a sua Inteligência Emocional?

Feras indomáveis
Marcas desconhecidas avançam sobre mitos como Porsche e Ferrari

Olho biônico
Equipe com oftaltalmo brasileiro devolve a visão a um cego implantando chip na retina

• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três