Veja também outros sites:
Home •• Revista ••Diversão & Arte  
Diversão & arte - Música

03/06/2002

   
Divulgação
Lauryn Hill: depois do sucesso do disco anterior, banquinho e violão em especial para a MTV
Divulgação

 

 

 

 

 

Hip Hop
MTV Unplugged Nº 2.0
A cantora Lauryn Hill espanta os males da fama com novo disco

Silvia Ruiz

 

Como é dura a fama... Anos de batalha por um lugar ao sol e pelo reconhecimento do talento transformados em uma prisão que sufoca o artista. E, assim, centenas de carreiras acabam com um tiro na cabeça. Poderia ter acontecido isso com Lauryn Hill. Mas a cantora preferiu fazer um disco para espantar seus fantasmas e surgiu com Lauryn Hill MTV Unplugged Nº 2.0.

No esquema banquinho e violão, a ex-vocalista do Fugees gravou um disco duplo só com material inédito para um especial da MTV americana em que as canções falam da “crise da fama”.

Depois do sucesso de seu disco solo, The Miseducation of Lauryn Hill, lançado em 1998 e que lhe rendeu uma série de prêmios, Lauryn, 26 anos, passou uma longa temporada na Jamaica. Casada com um dos filhos de Bob Marley, Rohan, com quem teve dois filhos, a americana caiu de cabeça na terra de Jah. O resultado dessa viagem está nas faixas do disco, que falam da busca da liberdade de ser quem você é. As levadas de reggae no violão são herança do sogro muito bem-vindas à sonoridade hip hop que consagrou Lauryn. Há várias faixas que emocionam, e Lauryn mostra mais uma vez que compõe tão bem quanto toca violão e canta.

O duro é agüentar os intermináveis minutos de falatório da Lauryn, que faz do microfone seu terapeuta e manda vez no discurso auto-analítico: “Eu não vou ser o que o sistema e o padrão esperam que eu seja. Eu sou o que sou e não vou fingir ser outra coisa”. Haja paciência para quem não fala inglês – e mais ainda para quem fala. Herdeira de Marley

 

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 148
 
ENQUETE
Milú Villela diz: "É in fazer alguma coisa pelo País, é totalmente out não fazer nada". E você? Faz algum trabalho voluntário?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
"Os homens sempre quiseram mandar nas mulheres, por isso se viram no direito de matar." declara a procuradora Luiza Nagib Eluf. O que você pensa a respeito dos crimes passionais? Dê sua opinião
 
 BUSCA

LEIA TAMBÉM
 

Dupla dinâmica
Ex-sócio de Serra fez dobradinha com Ricardo Sérgio em operações fraudulentas

Teste
Como anda a sua Inteligência Emocional?

Feras indomáveis
Marcas desconhecidas avançam sobre mitos como Porsche e Ferrari

Olho biônico
Equipe com oftaltalmo brasileiro devolve a visão a um cego implantando chip na retina

• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três