Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

11/03/2002

   
 
Leandro Pimentel
“A gordura não
me atrapalha em nada. Minha mulher não
tem do que reclamar’’

Ed Motta, que pesa 130 kg e é casado há 11 anos
 
 
Leandro Pimentel
 
 
Leandro Pimentel

 

Música
Viciado em vinil
O cantor lança CD, conta que chega a comprar 100 discos de vinil de uma vez, explica sua opção por não ter filhos e diz por que era distante do tio, Tim Maia

Eduardo Minc


Numa visita recente ao compositor Edu Lobo, o cantor Ed Motta observava uma estante repleta de discos de vinil enquanto conversava com o amigo numa das salas da casa. Discretamente, passou os olhos em cada um dos móveis do local. Não encontrou ali nenhuma vitrola. Cauteloso, fez uma pergunta ao amigo. “Edu, tu tá ouvindo disco?” O músico respondeu de pronto: “Não, tenho um toca-discos guardado mas não tenho paciência de usá-lo”. A resposta encorajou Ed Motta a fazer uma proposta. Trocaria seus CDs pelos vinis de Edu. Acordo fechado, ele não perdeu tempo: pediu licença e começou a recolher todos os discos da estante. “Foi a maior vergonha”, diverte-se o cantor ao relembrar a história.

A paixão de Ed Motta pelos discos começou cedo, aos 10 anos. Hoje, aos 31, ele se classifica como um compulsivo colecionador de vinis. Eclético, ele ouve de Carlos Gardel a John Coltrane. Chega ao ponto de comprar até 100 discos ao entrar numa loja. “É preciso ter dedos ligeiros e olhos rápidos”, explica, bem-humorado. Ed sabe que está na contramão da história ao esnobar a tecnologia moderna. Mas tem uma explicação: “Ouvir um vinil é como comer a lasanha quentinha da vovó”, compara.

Enquanto outros músicos abusam das novidades tecnológicas, Ed opta pela simplicidade musical. Seu último CD, Dwitza, lançado em janeiro, e considerado um dos mais sofisticados de sua carreira, foi gravado em 20 horas, sem o auxílio da parafernália dos estúdios. “Pode parecer pouco tempo para os caras do pop que gostam de maquiar tudo. Mas para o jazz, é um luxo”, diz o cantor, que tem fama de ser chato no trabalho. Perfeccionista, ele cuida pessoalmente de cada detalhe. Em 1991, durante a mixagem dos disco Entre e Ouça, ficou trancado 28 horas gravando. “Os caras me olham atravessado porque sou chato mesmo”, admite.

Sobrinho de Tim Maia, Ed Motta sempre fez questão de trilhar seus próprios caminhos. Autodidata, aprendeu música lendo livros sobre o assunto. O parentesco com Tim, ele conta, só o ajudou no início de carreira. “As pessoas ficavam curiosas para ver meu trabalho. Afinal, ser sobrinho dele é ser parente de um cara que faz boa música”, diz. Hoje, Ed Motta lamenta o fato de não ter tido um relacionamento mais estreito com o tio. “Ele pegava no meu pé em assuntos pessoais e isso não me agradava”, conta, sem dar detalhes. Filho de Tim, Léo Maia elogia o trabalho do primo. “Meu pai morreu sentindo um enorme orgulho do talento do Ed”, diz Léo, que lançará seu primeiro disco em abril.

Filho da dona-de-casa Luzia Motta e do aposentado Antônio Motta, Ed Motta sempre foi diferente. Quando menino, dispensava as partidas de futebol com os amigos de infância da Tijuca, bairro da zona norte do Rio, para ver televisão. “Ver Johnny Quest era bem mais interessante do que me sentir fedorento jogando bola.” Até hoje é assim. Ed não costuma seguir padrões. Casado há 11 anos com a designer Edna Lopes, ele não pensa em filhos. “É como ser brasileiro e gostar de futebol. Alguns dão sorte de não gostar. Eu sou um deles. Se tiver filho, vai ser por desastre”, diz. “No children, no dogs and no problems”, brinca. Também não se incomoda em não seguir os padrões de boa forma. Com 130 quilos, conta que não liga para a estética. “Eu me preocupo com a saúde, a gordura não me atrapalha em nada. Minha mulher não tem do que reclamar”, afirma.

Comente esta matéria
Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 136
 
ENQUETE 1
Você acha que Jair Hermínio da Silva, que errou a pergunta de R$ 1 milhão do Show do Milhão merece uma segunda chance?
:: VOTAR ::
 
ENQUETE 2
Você acha que Roseana Sarney deve desistir da candidatura à Presidência?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
Ciro Gomes desmarcou vários compromissos para acompanhar o tratamento de sua mulher, Patrícia Pilar. Você acha que esta atitude masculina é uma exceção? Dê sua opinião
 
 BUSCA

LEIA TAMBÉM
 

Gosto não
se discute
Cirurgião de Michael Jackson defende
a beleza natural

A Incansável Elsie
Há 30 anos dedicando sua vida à Planeta

Para
brasileiro ver
Por US$ 700 milhões, Príncipe Charles
caiu no samba e
jogou futebol

O retrato falado da dengue
Médicos descobrem
a estrutura do vírus
da dengue

• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três