Clique para ver a capa ampliada
EDIÇÃO 132
 CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 BATE PAPO
 GALERIA DE FOTOS
 JOGOS E TESTES
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 ACONTECEU
 BASTIDORES
 CELEBRIDADE
 DIVERSÃO & ARTE
 ENTREVISTA
 ESTILO
 EXCLUSIVAS
 IMAGENS DA SEMANA
 INTERNET
 MODA
 MUNDO
 QUEM SOU EU?
 REPORTAGENS
 URGENTE
 SERVIÇOS
 ASSINATURAS
 ASSINE NEWSLETTER
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ESPECIAIS
 EXPEDIENTE
 FALE CONOSCO
 PUBLICIDADE
 BUSCA

 

 

OSCAR NIEMEYER

11/02/2002

“Brasília não é o fundamental no
meu trabalho”

O maior arquiteto brasileiro é homenageado em Paris mas não vai por medo de avião, critica a evolução de Brasília e conta que gasta tudo que ganha

Luís Edmundo Araújo

Leandro Pimentel

Niemeyer não está satisfeito com Brasília: “Com o tempo, perde a unidade. Isso se vê nas ruas, na mediocridade da sua arquitetura, na profusão de anúncios que a compromete. O pior é ver o Eixo Monumental inacabado”

‘‘O mais importante não é a arquitetura, mas a vida, os amigos e este mundo injusto que devemos modificar.” A frase traduz o pensamento de Oscar Niemeyer, mas não foi dita. Está escrita entre os esboços do Congresso Nacional e de outros projetos do arquiteto, desenhados nas paredes brancas de seu amplo escritório, numa cobertura da Avenida Atlântica, no Rio. É nesse espaço claro e rodeado pelo mar de Copacabana que o autor dos prédios símbolo de Brasília passa a maior parte de seus dias. Aos 94 anos, continua em plena atividade. Tem projetos em Niterói (RJ), Curitiba e nutre a expectativa de concluir o Eixo Monumental do Distrito Federal – que o arquiteto ainda chama de nova capital apesar de seus quase 42 anos de existência –, como prometeu o governador Joaquim Roriz.
Os trabalhos poderiam servir de desculpa para a decisão de não prestigiar a exposição com a retrospectiva de sua obra, inaugurada no dia 5 de fevereiro, em Paris, mas Niemeyer é sincero: “Prefiro ficar no Rio, olhando o mar”. No escritório que se debruça sobre Cobacabana, a decoração é completada por outro pôster com fotos de projetos do arquiteto, como a Universidade Constantine. Uma sala menor serve de refúgio. Nela, uma foto artística de duas mulheres nuas divide espaço com os livros sobre a obra de Niemeyer, que ele não lê. No canto da pequena sala, um cavaquinho e um violão parecem esquecidos. “Já toquei, mas parei há muito tempo”, conta o arquiteto, que está casado há 73 anos com Annita Balbo, é pai de Anna Maria e avô de cinco netos.

É verdade que o senhor tem medo de avião?
Não gosto. Viajei muito na vida, andei muitas vezes de Concorde, mas sempre achei horrível. Tinha que tomar um porrezinho, uma boa dose de uísque, para me tranqüilizar. Só me sentia bem quando punha o pé na terra. Agora quero ficar em casa. Me perguntam se eu posso ir a algum lugar de avião e eu digo que vou. Depois na hora eu digo que não tenho vontade de ir, que prefiro ficar.

Por isso não foi à exposição de Paris?
A exposição será inaugurada dia 5 de fevereiro (a entrevista a Gente foi concedida no dia 25 de janeiro). No dia 8 eu teria de estar na Universidade de Sorbonne para receber uma homenagem lá. Dizem que isso era importante para minha carreira de arquiteto, que é a primeira vez que chamam um arquiteto lá na Sorbonne, mas preferi ficar no Rio.

Qual o segredo para continuar em plena atividade aos 94 anos?
Tenho uma maneira de trabalhar diferente. Trabalho sozinho. Arquitetura é muito pessoal. Aqui sou o único arquiteto. Quando acabo um trabalho, passo para o escritório do centro da cidade, onde meus colegas Ana Elisa Niemeyer, minha neta, Jair Valera e João Niemeyer, meu sobrinho, desenvolvem os projetos. Assim, tenho o dia mais livre, posso atender às pessoas. Trabalho da mesma forma que sempre trabalhei. Sei o que gosto e faço minha arquitetura baseado nisso. Você pode ver aí na minha estante uns 40 livros sobre o meu trabalho. Eu não leio.

Por quê?
Não é que eu despreze o que eles fazem, pelo contrário. É que procuro defender minha intuição. Cada arquiteto deve ter sua arquitetura. Não critico ninguém. Se o arquiteto faz a arquitetura que ele gosta, é o bastante.

próxima >>

Comente esta matéria



Búzios
Quiromancia
Horóscopo chinês
Altar Virtual
Cartomancia
Novo Tarô
Biscoito da sorte
Realejo
Bola 8
Par perfeito
I-Ching
Runas
Vidente
Numerologia
Horóscopo
 
ENQUETE 1
Quem é a rainha do Carnaval?
:: VOTAR ::
 
ENQUETE 2
Você acha que os participantes do Big Brother Brasil são clones dos integrantes da Casa dos Artistas?
:: VOTAR ::
 
 
FÓRUM
O que você achou do desempenho da polícia na solução do seqüestro de Washington Olivetto?
 
CHAT
Nome (até 20 caracteres):
Escolha uma sala

 
 

| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três