25 de outubro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mais Você
Mochilão
Jornal Hoje


Cinema

O Sexto Sentido


Dança

Forró For All
Muito Romântico


Música

Jobim-Morelembaum
Maratona clássica
Hours...
Nádegas a Declarar
Free Jazz 99 consagra o techno
Claridade


Livros

Gente do Século - Jacqueline Kennedy
Irresistíveis pecados
A dama dos cachorrinhos e outros contos


Exposição

Nuno Ramos


Teatro

Mosaico cigano


Internet

Crônica do Dia
Galeria Photology


Televisão - Variedades

Mais Você
Globo (Segunda a sexta, 13h45)

Edla van Steen

Foto: DIVULGAÇÃO

Não se pode dizer que Mais Você, de Ana Maria Braga, seja um bom programa. Mas também não se diria que é de todo ruim. Obedece à receita dos programas ditos “femininos”. Quem decide que os assuntos das mulheres sejam apenas moda, beleza e culinária? Não passa pela cabeça de ninguém que seria interessante dar dicas de livros, de filmes, de exposições? Ensinar a aplicar dinheiro, dar noções de política, de economia?

Na estréia de Mais Você, Ana Maria Braga dissew que a equipe não aceita críticas antes de sexta-feira 22 (quando completa uma semana de exibição), sugerindo problemas no cenário. Além de pedir desculpas por não ter se despedido do programa anterior porque “não lhe deram” o direito de dizer adeus. Não disse quem.

O cozinheiro Arnaldo Rodrigues, ao fazer um cheesecake, resolveu corrigir a apresentadora dizendo tratar-se de “uma” cheesecake. Por que é sobremesa! O psicólogo Leonardo Fraiman e a consultora de moda Glória Kalil têm participações simpáticas e, por enquanto, inexpressivas. Alugam seus nomes para dar grife ao programa? A crônica O Menino da Meia Vermelha, de Carlos Heitor Cony, foi interessante e Ana Maria Braga leu-a com certa graça. Mas são totalmente dispensáveis os comentários da apresentadora, depois da leitura. Ou ela pensa que os espectadores não têm capacidade de compreender um texto tão objetivo?

A lastimar as horrendas piadinhas e adivinhações que a loura e o papagaio Louro José fazem para se divertir. Se já eram péssimas no Note e Anote, da Record, onde se diluíam no programa longo, ficaram piores no compacto da Globo. Aliás, a impressão que se tem é que a redução de horário protege Ana Maria Braga, que fica menos exposta aos erros básicos de português, tipo “esse pessoal que pensam que vão continuar tudo igual”... Um soco no ouvido. Claro, o nervosismo da estréia. Ana Maria Braga conhece o ofício, tem intimidade com a câmera, é espontânea. Dedos cruzados para que valorize o horário.
Lugar de mulher ainda é na cozinha?

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home