25 de outubro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mais Você
Mochilão
Jornal Hoje


Cinema

O Sexto Sentido


Dança

Forró For All
Muito Romântico


Música

Jobim-Morelembaum
Maratona clássica
Hours...
Nádegas a Declarar
Free Jazz 99 consagra o techno
Claridade


Livros

Gente do Século - Jacqueline Kennedy
Irresistíveis pecados
A dama dos cachorrinhos e outros contos


Exposição

Nuno Ramos


Teatro

Mosaico cigano


Internet

Crônica do Dia
Galeria Photology


Música- Samba

Claridade
Alcione (Universal Music)

Aluízio Falcão

Foto: REPRODUÇÃO

Se houvesse um panteão do samba, o nome de Clara Nunes ocuparia lugar de honra máxima. Merecidíssima esta homenagem de Alcione, prestada com garra, emoção e talento. O seu disco é trabalho vigoroso, desde o grito de guerra “Clara!” na abertura, entrando por “Morena de Angola” e fechando apoteoticamente com a versão integral de “Mineira”.

O produtor Jorge Cardoso optou acertadamente pela claridade. Não há sombras, nem clima de elegia póstuma. Dos quatro maestros, o mais criativo e fiel a Clara foi Zé Américo, especialmente na faixa “Canto das Três Raças”, usando uma base com tambor de crioula. Jota Moraes redime-se de alguns equívocos na mais bonita faixa do CD, “Portela na Avenida”.

O timbre da intérprete não se assemelha ao da homenageada mas, de tão poderoso, mexe com a imaginação. Impossível não pensar na figura de Clara, seus vestidos brancos, pulseiras e colares, rodopios, a linda estampa de mulher. Reverenciando a colega, Alcione também resgata obras de compositores fundamentais em seus discos, como João Nogueira, Mauro Duarte e Yvone Lara. É bom ver a Marrom de volta aos seus começos. É bom saber que esta voz privilegiada não deixa o samba morrer, não deixa o samba acabar.
Garra e emoção

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home