Clique para ver a capa ampliada
EDIÇÃO 117
 CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 BATE PAPO
 GALERIA DE FOTOS
 JOGOS E TESTES
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 ACONTECEU
 BASTIDORES
 CELEBRIDADE
 DIVERSÃO & ARTE
 ENTREVISTA
 ESTILO
 EXCLUSIVAS
 IMAGENS DA SEMANA
 INTERNET
 MODA
 MUNDO
 QUEM SOU EU?
 REPORTAGENS
 URGENTE
 SERVIÇOS
 ASSINATURAS
 ASSINE NEWSLETTER
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ESPECIAIS
 EXPEDIENTE
 FALE CONOSCO
 PUBLICIDADE
 BUSCA

 

 

29/10/2001

CARREIRA

DIGÃO
Com os vocais na mira
O guitarrista dos Raimundos torna-se o vocalista
da banda, que lança disco com músicas ainda cantadas
pelo ex-vocalista Rodolfo, e não teme comparações

Eduardo Minc

Leandro Pimentel
“A minha voz é mais entonada e gosto de cantar afinadinho”, afirma Digão, ao se comparar com Rodolfo

Todos os dias quando voltava da escola para casa, aos 15 anos, Rodrigo Aguiar Madeira Campos entrava debaixo do chuveiro e se esgoelava cantando “Marilou”, uma de suas músicas preferidas, sucesso na voz de Roger, líder da banda Ultraje a Rigor, referência do rock nacional nos anos 80. Também passava o tempo embaixo da cama dos pais cantarolando versos escritos em portas dos banheiros de seu colégio. Daquela época até hoje muita coisa mudou na vida daquele adolescente. Rodrigo, ou melhor Digão, se tornou vocalista dos Raimundos, banda pioneira na mistura de ritmos nordestinos com o rock pesado.

O posto, assumido há quatro meses, veio com a saída oficial de Rodolfo, cantor e principal compositor da banda. Digão admite que no início se sentiu um pouco inseguro. “Não gostava da minha voz, mas os meus colegas da banda e o público me incentivaram”, conta. E aproveita para dar uma alfinetada no ex-colega de banda: “A minha voz é mais entonada e gosto de cantar afinadinho”, afirma. E, para não sair do tom, Digão já providenciou um fone de ouvido. “Vou cantar com o aparelho para poder ouvir o retorno do som e corrigir na hora e ao vivo qualquer nota que saia errada, seja na voz ou nos acordes da viola”, promete.

Por enquanto, porém, a voz do cantor só pode ser conferida pelos fãs da banda, que nasceu em 1988, na faixa “Sanidade”, única em que Digão mostra seus dotes vocais no recém-lançado CD Éramos 4, primeiro dos Raimundos na fase pós-Rodolfo, em que predominam os vocais do ex-cantor da banda. Digão garante não se importar com as críticas. “Estamos numa fase de transição e eu preferi deixar para imprimir a minha assinatura em novas canções nos próximos CDs”, explica o vocalista. E admite que o Éramos 4 só foi lançado porque faz parte do contrato que a banda tem com a gravadora Warner. “Esse CD fechou um pacote que seria de cinco. Agora renegociamos por mais 3 trabalhos”, afirma. Ao que tudo indica, a saída de Rodolfo não arrefeceu a admiração dos fãs da banda. Afinal, menos de um mês depois do lançamento do disco, o grupo vendeu 100 mil cópias e abocanhou o disco de ouro.

Divulgação
Fred, Digão e Canisso: formação atual

Digão prefere não polemizar sobre a saída de Rodolfo, mas garante que tentou falar com o ex-parceiro várias vezes e não conseguiu. O músico argumenta que mesmo quando estavam juntos, Rodolfo não gostava de falar sobre os problemas do grupo. “Dizia que discutir assuntos da banda era coisa de viado”, entrega Digão.

Impulsionado pelos mais de 450 mil fãs que acessam mensalmente o site dos Raimundos, Digão decidiu que ainda este ano vai soltar a voz em shows e deve gravar um novo CD no início de 2001. Para Frederico Mello de Castro, o baterista Fred, de 29 anos, faltava uma dose de ousadia para assumir os vocais dos Raimundos. “Ele era o sucessor natural do Rodolfo. Era a nossa juke box. Só faltava botar pilha”, diz Fred, que deu todo apoio ao amigo após a saída de Rodolfo. “Eu disse: ‘Cara, não adianta querer comparar com a voz dele. Bota a boca no mundo e vamos para o que der e vier’”, lembra o baterista.

Digão retribui o apoio e diz que o baterista é seu maior incentivador. “Ele é manager, parceiro e nosso visionário”, elogia. O novo vocalista dos Raimundos conta que além do suporte da banda, contou também com a solidariedade de músicos como Roberto Frejat. O vocalista do Barão Vermelho lhe disse que passou por situação semelhante quando assumiu os vocais do Barão após a saída de Cazuza. “Ele deu a maior força. Disse que o negócio é tocar adiante.” E é tocando e cantando que Digão pretende mostrar que pode dar conta do recado.

Raimundos em números

Nasceu em 1988, em Brasília

6 discos lançados e mais de um milhão de cópias vendidas
Éramos 4 sai com 100 mil cópias e já é disco de ouro

 

Comente esta matéria
 



Cartomancia
Novo Tarô
Biscoito da sorte
Realejo
Bola 8
Par perfeito
I-Ching
Runas
Vidente
Numerologia
Horóscopo
 
ENQUETE
Tamanho é documento?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
Giuseppe, filho italiano do ex-jogador Falcão, veio ao Brasil para conhecer o pai, mas ele não quer vê-lo, nem o reconhece como filho. O que você acha da postura do ídolo?
 
CHAT
Nome (até 20 caracteres):
Escolha uma sala
 
 

| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1996/2001 Editora Três