PUBLICIDADE

Prévia: "Shadows of the Damned" é perturbador e bem-humorado

1 jun 2011 12h11
| atualizado em 10/4/2013 às 16h13
Publicidade

O game feito pelo diretor "Suda 51" é bem o que seus fãs esperam: um game perturbador, obscuro e com pitadas de humor meio sádico. O jogador terá a chance de controlar Garcia Hotspur, um caçador de demônios hispânico que é obrigado a ir, literalmente, ao inferno buscar sua namorada Paula, (Que o protagonista conheceu em uma lata de lixo dos fundos de um supermercado), pois a mesma foi seqüestrada pelo vilão Fleming, um monstro de seis olhos com comportamento aparentemente pervertido e vingativo, nada mais justo vindo de um dos mestres das trevas do jogo.

"Shadows of the Damned" será lançado para PS3 e Xbox 360  no dia 21 de junho.
"Shadows of the Damned" será lançado para PS3 e Xbox 360 no dia 21 de junho.
Foto: Divulgação

» Veja imagens do jogo
» Jogue games online

Hotspur chega ao inferno acompanhado de sua estilosa jaqueta de couro e seu companheiro Johnson, uma caveira falante que guia o protagonista pelos cantos obscuros do inferno, o parceiro também se destaca pelas melhores falas do jogo, além, claro, de se transformar em diferentes armas, uma tocha e uma moto.

Avenida Inferno, Rua Trevas

Para quem estava imaginando um inferno com fogo e lava se enganou, em Shadows of the Damned o jogador andará por vilarejos com casas e janelas, mas também encontrará muitos corpos mutilados, pôsteres animados e instrutivos, rostos de bebês demoníacos acoplados em portas que clamam por olhos, cérebros e até morangos (Que segundo o jogo é uma pegadinha com os humanos feita por Fleming, já que a fruta seria feita de línguas trituradas), além de luzes em forma de uma cabeça "viva" de cabra e sangue, muito sangue pelas paredes, chão, nos corpos pendurados e nas janelas.

Personagens

O protagonista Garcia Hotspur, tatuado e digno de frases marcantes que misturam palavras em inglês e espanhol, ganha a afinidade do jogador pela personalidade violenta e grosseira, o que é compreensível devido á ferocidade das criaturas de olhos brilhantes que saltam e atacam sem parar. Destaque também para o bizarro e simpático Christopher, uma espécie de metade-demônio, metade-homem que negocia itens valiosos para Hotspur, como diamantes utilizados para melhorar algumas características do protagonista e de Johnson, em troca de diamantes brancos que são coletados ao matar demônios.

O jogo

Não há como não comparar Shadows of the Damned com as séries de Silent Hill e Resident Evil, a mecânica de jogo é a mesma, porém num ritmo mais rápido e intenso que os citados anteriormente, com direito a câmera lenta em casos de alguns tiros na cabeça e um sistema de troca rápida de armas que facilita no combate as criaturas.

No jogo, o jogador deve procurar se manter longe da escuridão, que acaba ferindo o protagonista e também é utilizada como proteção por alguns demônios, além de reviver corpos existentes no cenário e que, obviamente, partem para o ataque, o jogador deverá procurar meios existentes no cenário para iluminar o local, como é o caso da luz em forma de uma cabeça de bode e o lançador de fogos de artifício. Porém a escuridão também é utilizada pelo jogador para ajudar a enxergar soluções para pequenos quebra-cabeças, além de expor os pontos fracos de alguns inimigos.

Um dos pontos mais interessantes do jogo são as constantes alterações entre clima tenso e humor, que boa parte é creditada aos diálogos entre a cômica caveira Johnson e o boca-suja Hotspur. Destaque também para a trilha sonora rica em ritmos diferentes que auxiliam nessa variação de sentimentos tensos e cômicos.

Mais aceitável

Apesar de jogos estilizados como Killer 7 e No More Heroes que agradam a crítica, mas não o público em geral, em Shadows of the Damned o diretor Suda pode ter a chance de ser melhor aceito pela massa.

O jogador terá a chance de encarar um game desafiador e rico em um equilíbrio de sentimentos: terá situações em que o jogador se verá em um cenário com clima tenso e obscuro, o que o deixará transparecer uma expressão de concentração no rosto, até que Johnson, a caveira "faz-tudo", surge com comentários que arrancam sorrisos diversas vezes. Certamente, o game nos passa que foi baseado nessas sensações, o equilíbrio entre luz e escuridão são essenciais para o desenvolver do jogo.

Shadows of the Damned não será estranhado por aqueles que já jogaram Silent Hill e Resident Evil alguma vez na vida, mas com uma jogabilidade mais rápida e dinâmica, o jogador não se verá preso nas fases, nem terá que voltar para explorar melhor os detalhes dos cenários anteriores, apenas terá que ser ágil e, principalmente, ajudar Garcia Hotspur a sobreviver aos demônios contidos nesse inferno criado por Suda.

Fonte: Terra
Publicidade