PUBLICIDADE

Riot recorre em processo movido por jogador de LoL: "citação nunca ocorreu"

A Riot Games alega não ter sido citada na ação judicial movida no Rio de Janeiro pelo jogador banido de League of Legends

16 abr 2021
21h32 atualizado às 21h47
0comentários
21h32 atualizado às 21h47
Publicidade

Um jogador banido de League of Legends (LoL) abriu uma ação contra a Riot Games para recuperar os itens comprados na conta desativada. A empresa não compareceu à audiência, e a juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) ordenou a devolução dos bens, além do pagamento de R$ 3 mil por danos morais. Porém, desenvolvedora entrou com recurso em que não só questionou a sentença, como também alegou não ter sido citada no processo.

Skin "Kayle Juíza", de League of Legends
Skin "Kayle Juíza", de League of Legends
Foto: Divulgação/Riot Games / Tecnoblog

Riot Games disse que não sabia do processo

No dia 9 de abril, a Riot Games interpôs um embargo de declaração, pedindo para esclarecer a omissão e apresentar novos fatos à juíza. No documento, a desenvolvedora de LoL disse que não compareceu à audiência porque não havia sido citada. A empresa ainda declarou que só ficou sabendo sobre o processo pela matéria publicada pelo Tecnoblog em 8 de abril.

Segundo a Riot Games, o representante da empresa não recebeu a citação eletrônica pelo sistema do TJRJ, nem por correspondência. Além disso, a produtora relatou que o Tribunal não havia enviado o e-mail diário de distribuição da ação, o qual deveria ficar disponível em todas as movimentações do processo.

Riot Games afirma não ter sido citada no processo
Riot Games afirma não ter sido citada no processo
Foto: Reprodução / Tecnoblog

O jogador foi banido de LoL por toxicidade

Além de questionar a revelia, a Riot Games apresentou o motivo da punição recebida pelo autor do processo em LoL. De acordo com a empresa, o jogador teve a conta banida permanentemente após ofender diversas pessoas durante as partidas.

Não é preciso um contrato ou uma lei para saber que tal tipo de comportamento não é socialmente aceitável. Estamos em 2021 e chega a ser exaustivo ter que explicar, em um processo judicial, a um adulto plenamente capaz - e seu patrono, inclusive -, que determinadas atitudes são reprováveis e possuem sanções.

Riot Games, em embargo de declaração.

No embargo de declaração, a Riot Games explicou que o mau comportamento do jogador tinha violado os Termos de Uso de League of Legends, resultando no banimento da conta e na revogação das licenças de uso, como skins e outros itens comprados com dinheiro real.

Os efeitos do embargo de declaração no processo

Vale lembrar que a juíza sentenciou a Riot Games por violação do Código de Defesa do Consumidor ao impedir o acesso do jogador a propriedades pessoais compradas com dinheiro real. Na ação judicial, o autor pedia a transferência dos itens de sua conta banida em LoL para um perfil novo.

Caso o embargo de declaração seja aceito, a sentença é revogada e o processo retorna ao estado inicial. Se a juíza julgar o pedido como improcedente, a Riot Games ainda pode recorrer novamente para que a ação seja julgada em segunda instância no TJRJ.

Riot recorre em processo movido por jogador de LoL: "citação nunca ocorreu"

Tecnoblog
Publicidade
Publicidade