PUBLICIDADE

Nova York gasta mais de US$ 59 mil em videogames para detentos

Departamento de Correção da cidade fez o investimento visando manter o comportamento dos presos sob controle

8 jul 2024 - 10h24
Compartilhar
Exibir comentários
Gastar dinheiro público em videogames para detentos em Nova York gerou críticas de alguns especialistas
Gastar dinheiro público em videogames para detentos em Nova York gerou críticas de alguns especialistas
Foto: Reprodução / Dreamstime / Lepasik

O Departamento de Correção da cidade de Nova York decidiu gastar US$ 59.260 em dinheiro dos pagadores de impostos para comprar novos jogos de PlayStation 4 e PlayStation 5 para os detentos, sob a justificativa que isso ajudará a mantê-los controlados.

De acordo com a reportagem a respeito publicada pelo New York Post, os registros municipais revelam que a quantia foi destinada à Divisão de Programas para Adultos da agência e resultou na compra de 1.247 jogos.

Entre as aquisições, há dezenas de cópias de jogos como Mortal Kombat 1, Street Fighter 6, Madden NFL e NBA 2K24, conforme explicado por Latima Johnson, porta-voz da agência.

A decisão, como não poderia deixar de ser, resultou em críticas de alguns especialistas, já que trata-se do uso de dinheiro público para entreter criminosos, sendo que ele poderia estar sendo usado para melhorar outros aspectos do sistema prisional.

Benny Boscio, chefe da Associação Beneficente dos Agentes Prisionais, criticou a agência por gastar fundos em jogos para criminosos em vez de necessidades essenciais, como sistemas de ar condicionado adequados para presos e funcionários durante os dias com temperaturas muito elevadas.

“Se eles têm dinheiro suficiente para comprar videogames, há dinheiro suficiente para garantir que nossa força de trabalho essencial permaneça saudável e confortável durante condições climáticas extremas”, reclamou Boscio.

Usar videogames para tentar manter os detentos sob controle é uma prática que vem sendo utilizada pelo Departamento de Correção há alguns anos. Em 2018, a então comissária Cynthia Brann disse que o acesso aos consoles era usado como incentivo para evitar comportamentos violentos entre os presos.

Em 2020, a agência gastou US$ 82.500 do dinheiro dos contribuintes em milhares de clones do Game Boy para manter os detentos entretidos.

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade