PUBLICIDADE

E o GTA V chegou ao Game Boy (ou quase isso)

Conheça um sujeito que criou um cartucho com WiFi para o Game Boy e assim conseguiu fazer com que o Grand Theft Auto V rodasse no portátil

24 jan 2022 11h11
| atualizado em 25/1/2022 às 09h53
ver comentários
Publicidade

Após ser lançado em 1989, não demorou muito para o Game Boy se tornar o sonho de consumo de muitas pessoas. A ideia de ter um videogame portátil com várias franquias da Nintendo era muito interessante, mas convenhamos, mesmo naquela época um dos pontos fracos daquele aparelho era a sua tela.

game boy
game boy
Foto: Meio Bit

Com uma resolução de meros 160 x 144 pixels e medindo apenas 47 x 43 mm, a tela do Game Boy ainda tinha o agravante de ser monocromática, com o seu tom de verde tendo ficado gravado na retina daqueles que passaram horas e mais horas jogando no portátil. Ainda assim, não há como negar que diversos jogos muito legais foram criados para aquele videogame, com a sua "paleta de cores" sendo reaproveitada até hoje em alguns títulos indie.

Mas enquanto aquela modesta telinha podia servir para jogos com aparência mais simples e desenvolvidos pensando nas suas limitações, seria possível fazer com que produções mais atuais funcionassem nele? Pois este foi um desafio que Sebastian Staacks resolveu encarar e o resultado obtido por ele é de cair o queixo.

Um curioso por natureza, no final de 2021 o rapaz criou um cartucho que permitiria o portátil se comunicar com a internet através do WiFi. Com apenas 31 KiB e usando um microcontrolador ESP8266, inicialmente a sua invenção permitia apenas reproduzir textos, servindo para ler artigos na Wikipedia ou ver as últimas publicações no Twitter. Aquela já era uma façanha e tanto, mas Staacks queria ir além.

Após voltar para a prancheta, ele conseguiu aperfeiçoar absurdamente sua criação, fazendo com que aquele cartucho fosse capaz de reproduzir vídeos em tela cheia e até mesmo rodar jogos que estivessem sendo executados no PC.

Em uma publicação repleta de detalhes técnicos, o autor explica o tortuoso processo para chegar ao streaming de imagens e ensina como podemos criar um cartucho parecido com o seu. Além disso, ele criou um vídeo em que mostra um pouco do cartucho em ação e é nele que vemos o que parecia impossível: o tão popular Grand Theft Auto V rodando em um Game Boy!

Alguém poderá dizer que o feito de Sebastian Staacks é praticamente uma trapaça, afinal o jogo não está rodando nativamente no portátil. Ainda assim acho o resultado impressionante e mesmo reconhecendo as limitações, ele parece orgulhoso do que conseguiu entregar:

"Com esta demo, muitas outras demos praticamente se tornam obsoletas. Posso mostrar qualquer coisa e controlar qualquer coisa que possa ser mostrada e controlada pelo meu PC. É claro, a interface e a imagem são praticamente inutilizáveis desta maneira, então algumas implementações dedicadas podem ser interessantes. E também, eu nem toquei no áudio aqui, o que infelizmente foi um grande descuido meu ao projetar esse cartucho."

Lara Croft no Game Boy Advance

E já que estamos falando em levar para um portátil da Nintendo um jogo que nunca foi pensado para tal videogame, o que dizer do trabalho de Timur 'XProger' Gagiev. Tão ou até mais impressionante do que a façanha de Staacks, o que este sujeito fez foi adaptar o primeiro Tomb Raider para o GBA.

Usando como base o OpenLara, que é uma engine de código aberto que recria o primeiro jogo da franquia e que permite que o título rode em diversas plataformas, XProger também conseguiu algo que parecia impossível. Vale citar que o Game Boy Advance nunca foi conhecido pelos gráficos em 3D e embora ele tenha recebido alguns Tomb Raiders, como o Legend ou o The Prophecy, eles foram feitos em duas dimensões.

Logo, a demo disponibilizada por este criador se destaca por rodar sem precisar de qualquer incremento ao portátil, funcionando em um GBA sem modificações e exigindo apenas um cartucho regravável, como o Everdrive. Por enquanto apenas dois estágios foram disponibilizados, mas XProger acredita que quando o jogo todo for adaptado, ele não precisará de mais do que um cartucho de 32 MB.

Conforme explicado pelo canal Modern Vintage Gamer, esta "é apenas uma verdadeira peça de magia técnica e fantástica otimização que tira vantagem das forças do GBA e que realmente também entende suas limitações."

Caso tenha ficado interessado, o OpenLara pode ser baixado aqui e além do Game Boy Advance, há conversões para vários aparelhos, do 3DO ao Xbox One, passando ainda pelo Raspberry Pi, uma versão que roda direto do navegador e muitas outras.

Fonte: PCGamer

E o GTA V chegou ao Game Boy (ou quase isso)

Meio Bit
Publicidade
Publicidade