PUBLICIDADE

CEO da Tripwire deixa cargo após polêmica sobre comentários antiaborto

Após pressão de estúdios parceiros e repúdio de grandes nomes da indústria por comentário defendendo lei antiaborto do Texas, CEO da Tripwire renuncia ao cargo

7 set 2021 13h29
ver comentários
Publicidade

Após sofrer pressão por comentários em defesa de uma lei antiaborto que tramita no Texas, nos EUA, John Gibson, CEO da Tripwire, comunicou que vai renunciar ao cargo. O co-fundador e atual vice-presidente da desenvolvedora, Alan Wilson, deve ficar à frente do estúdio — responsável por games como Maneater e Chivalry 2 — provisoriamente.

John Gibson renunciou ao cargo de CEO da Tripwire após repercussão de seu tweet a favor da lei antiaborto do Texas
John Gibson renunciou ao cargo de CEO da Tripwire após repercussão de seu tweet a favor da lei antiaborto do Texas
Foto: Reprodução/John Gibson / Tecnoblog

Em comunicado ao mercado, a Tripwire avisou sobre a renúncia de Gibson, e a troca de cargos com o vice-presidente. O estúdio ressaltou que a visão de seu último CEO não corresponde com a filosofia da companhia como um todo: "seus comentários desrespeitaram os valores de toda nossa equipe , nossos parceiros e toda a nossa comunidade."

A Tripwire afirma que os comentários de Gibson provêm de sua própria opinião em relação ao aborto. As lideranças por trás do estúdio lamentaram o episódio, e se disseram "comprometidas em tomar uma atitude rapidamente e cultivar um ambiente mais positivo"

Vice-presidente da Tripwire vai atuar como CEO interino

Quanto à mudança de cargo provocada pela renúncia de Gibson — com o vice-presidente assumindo o cargo principal da Tripwire — o estúdio disse:

"O Alan [Wilson] vai trabalhar com o resto da equipe de liderança da Tripwire e tomar as medidas necessárias com funcionários e parceiros para responder às suas preocupações, incluindo marcar uma reunião com toda a empresa, com o objetivo de promover o diálogo aberto entre líderes e empregados. O entendimento dele sobre a cultura da Tripwire e nossos games vai acompanhar toda a equipe nessa transição, com todo o apoio do corpo executivo do estúdio."

Em seu perfil no Twitter, o ex-CEO da Tripwire divulgou uma mensagem em defesa da a lei antiaborto no Texas, mantida em decisão da Suprema Corte dos EUA que manteve a lei antiaborto no Texas.

"Como um artista, não me misturo com política. Ainda assim, com tantos colegas vocais do outro lado desta questão, eu senti que era importante deixar claro que sou um desenvolvedor de jogos pró-vida", escreveu Gibson na rede social.

Estúdios e desenvolvedores se manifestaram contra a postagem do CEO da Tripwire. Dois deles são parceiros da produtora em dois de seus principais games: a Shipwright Studios, que auxiliou no desenvolvimento de Maneater e Chivalry 2, e a Torn Banner Studios, que atuou como equipe principal por trás do hack and slash medieval. A Shipwright Studios disse que iria suspender contratos devido à "liderança" da Tripwire.

Grandes figuras da indústria de games também reagiram com críticas contrárias ao tweet de John Gibson. Entre elas estão Cory Balrog, por trás da série God of War, e Cliff Bleszinski, um dos criadores de Gears of War.
Lei proíbe interromper gestação após 6 meses

Lei proíbe interromper gestação após 6 meses

A lei antiaborto no centro do debate — e que a Suprema Corte dos EUA se recusou a barrar — proíbe a interrupção da gravidez após 6 meses de gestação, com poucas exceções. Não é permitido, segundo a lei, interromper gestação em caso de estupro e incesto, depois de que o embrião tem 6 meses de idade.

Além disso, a lei "premia" quem processa clínicas clandestinas. O dinheiro por entrar na Justiça contra os centros médicos equivale a US$ 10 mil a cada aborto descoberto.

Com informações: IGN

CEO da Tripwire deixa cargo após polêmica sobre comentários antiaborto

Tecnoblog
Publicidade
Publicidade