PUBLICIDADE
Logo do

Vasco

Meu time

A vida antes do Lisca: você lembra como foram os trabalhos dos últimos dez técnicos do Vasco?

Sem contar os interinos, Cruz-Maltino teve trabalhos de dez dias e de dez meses, quase sempre muita pressão e, quase sempre atrelada à parte de baixo da tabela

23 jul 2021 06h34
| atualizado às 06h34
ver comentários
Publicidade

O último foi Marcelo Cabo. Mas um dos clubes mais impacientes com técnicos do Brasil, o Vasco teve trabalhos de diferentes durações nos últimos quatro anos. Confira os últimos dez técnicos do Cruz-Maltino - sem contar os interinos.

Zé Ricardo ficou dez meses à frente do Vasco. Luxemburgo teve duas passagens (Arte Lance!
Fotos: Divulgação)
Zé Ricardo ficou dez meses à frente do Vasco. Luxemburgo teve duas passagens (Arte Lance! Fotos: Divulgação)
Foto: Lance!

Marcelo Cabo - Contratado para o início da temporada 2021, estabeleceu um padrão inicial, o time viveu o auge técnico no clássico com o Flamengo, mas depois nunca mais se encontrou. Foi demitido na última segunda-feira.

Vanderlei Luxemburgo - Assinou como treinador principal do Vasco pela segunda vez em um ano e meio, foi anunciado no último dia do ano passado. Só que, diferente da primeira vez, não conseguiu fazer o time evoluir e escapar do rebaixamento.

Ricardo Sá Pinto - O português foi desejado pelo compatriota José Luis Moreira, então vice-presidente de futebol do clube. Mostrou desconhecimento do futebol e do mercado brasileiro. O time, com ele, degringolou. Durou dois meses.

Ramon Menezes - Foi o sopro de esperança do time cruz-maltino em 2020. Antes auxiliar da equipe, comandou um time que passou o aniversário do clube na liderança do Campeonato Brasileiro. Derrotas - algumas delas goleadas - lhe derrubaram da alta expectativa da qual havia se colocado.

Abel Braga - Escolhido pelo então presidente do clube, Alexandre Campello, para comandar o time do Vasco no início da temporada passada, ficou três meses no cargo. O time não jogava bem e houve erros de planejamento, como não ter titulares em clássicos do Estadual.

Vanderlei Luxemburgo - Na primeira passagem, o Pofexô chegou ainda nas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro, teve um período relevante de treinos e deu cara ao time. Antes nítida candidata à degola, a equipe escapou com antecedência.

Alberto Valentim - Dirigiu o Cruz-Maltino em 43 partidas entre 2018 e 2019. O desempenho ruim do time na reta final do Estadual de dois anos atrás pesou, e ele caiu ainda no Maracanã, antes do início do Brasileirão.

Jorginho - Em 2018, o Vasco conseguiu ter Jorginho por dez partidas. Foram quatro vitórias, um empate e cinco derrotas, e um desempenho da equipe que preocupava, principalmente pelo tempo de treino durante a Copa do Mundo.

Zé Ricardo - Comandou a equipe vascaína entre agosto de 2017 e junho de 2018. Pegou um time na zona de rebaixamento e o colocou na Copa Libertadores. Só que o clube vivia um turbilhão político. Ele quem pediu para sair.

Milton Mendes - O último da lista ficou no clube entre março e agosto de 2017. Acabou demitido em meio a forte pressão e protestos de torcedores. O time estava na zona de rebaixamento.

Lance!
Publicidade
Publicidade