0

Wawrinka, Raonic e Kyrgios caem na estreia no Masters de Xangai

Franceses Gael Monfils e Gilles Simon também foram derrotados na primeira partida

8 out 2018
13h35
  • separator
  • comentários

O suíço Stan Wawrinka, o canadense Milos Raonic e o australiano Nick Kyrgios se despediram do Masters 1000 de Xangai logo na estreia, nesta segunda-feira. Numa rodada marcada por resultados inesperados, eles se juntaram aos franceses Gael Monfils e Gilles Simon, também eliminados na rodada de abertura da competição disputada sobre quadra dura, na China.

Longe de sua melhor forma, Wawrinka não conseguiu conter o ritmo do croata Borna Coric, que vive grande fase. O dono de três títulos de Grand Slam foi derrotado pelo 13º cabeça de chave pelo placar de 2 sets a 1, com parciais de 4/6, 6/4 e 6/3. Ex-número três do mundo, Wawrinka é o atual 69º, recuperando-se no circuito após cirurgia no joelho.

Na segunda rodada, Coric vai enfrentar o norte-americano Bradley Klahn, outro responsável por um resultado surpreendente nesta segunda. O tenista dos Estados Unidos, que veio do qualifying e é apenas o 104º do mundo, superou Nick Kyrgios, 38º do mundo, por 4/6, 6/4 e 6/3.

Vice-campeão de Wimbledon em 2016, Milos Raonic também decepcionou ao cair diante de americano, Mackenzie McDonald, por 6/3, 5/7 e 6/3. Raonic era o 14º cabeça de chave e McDonald veio do qualifying. Na sequência, o norte-americano vai encarar o espanhol Roberto Bautista Agut, que avançou ao superar o russo Andrey Rublev por 6/3 e 6/4.

Já os franceses se despediram diante de rivais cabeças de chave. Monfils foi superado pelo grego Stefanos Tsitsipas, décimo pré-classificado, por 7/6 (7/4), 4/6 e 6/4. Já Simon foi batido pelo italiano Marco Cecchinato, 16º, pelo placar de 6/7 (4/7), 6/4 e 7/6 (7/2).

Em outros resultados desta segunda, o norte-americano Sam Querrey bateu o argentino Diego Schwartzman, nono cabeça de chave, por 6/3 e 6/4. Avançaram também o americano Taylor Fritz, o chinês Yibing Wu, o húngaro Marton Fucsovics, o australiano Matthew Ebden e o italiano Andreas Seppi.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade