11 eventos ao vivo

Sem reclamar de dores, Djokovic vence americano e encara Wawrinka no US Open

Após triunfo por três sets a zero sobre Denis Kudla, número um do mundo enfrentará suíço Stan Wawrinka nas oitavas de final

31 ago 2019
00h44
  • separator
  • 0
  • comentários

Sem reclamar de dores no ombro esquerdo, o tenista sérvio Novak Djokovic fez sua melhor exibição no US Open, na noite desta sexta-feira, ao superar o norte-americano Denis Kudla por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 6/4 e 6/2, em 2h03min. Nas oitavas de final, o número 1 do mundo vai enfrentar o suíço Stan Wawrinka.

Djokovic virou dúvida neste US Open ao reclamar de fortes dores no ombro e receber atendimento médico em quadra em sua última partida. Ele foi submetido a exames, que não detectaram lesão. Mesmo assim, o sérvio preocupava para a partida desta sexta. No entanto, ele disputou toda a partida sem demonstrar sinais de dores.

Ao fim do duelo, disse que evitou treinar na quinta para se poupar e confirmou que jogou nesta noite sem maiores dificuldades. Contudo, evitou dar detalhes sobre sua condição física. Seu preparo físico será colocado a prova na próxima partida. Wawrinka foi campeão em Nova York em 2016 e ocupa atualmente a 24ª posição do ranking.

No confronto direto, o sérvio leva vantagem. O atual campeão do US Open soma 19 triunfos, contra apenas cinco do adversário. O tenista da Suíça avançou na chave ao derrotar o italiano Paolo Lorenzi por 3 a 0, com parciais de 6/4, 7/6 (11/9) e 7/6 (7/4).

Para se manter na briga pelo título, o líder do ranking mostrou quase todo o seu arsenal em quadra: bons saques, agilidade no fundo de quadra, ótimas devoluções e subidas eficientes à rede. Neste ritmo, obteve quatro quebras de saque e não perdeu o serviço em nenhum momento da partida.

O favorito terminou o duelo com 34 bolas vencedoras, contra 25 do americano, 111º do ranking. E anotou 31 erros não forçados, diante de 26. O ponto baixo da atuação do sérvio foi a irregularidade no saque. Ele registrou oito duplas faltas e apenas seis aces.

Mais cedo, o búlgaro Grigor Dimitrov avançou ao derrotar o polonês Kamil Majchrzak por 7/5, 7/6 (10/8) e 6/2. Nas oitavas, o ex-Top 10 terá pela frente o australiano Alex de Minaur. Já o alemão Dominik Koepfer eliminou o georgiano Nikoloz Basilashvili (17º cabeça de chave) por 6/3, 7/6 (7/5), 4/6 e 6/1.

Roger Federer, que entrou em quadra no início da rodada, conheceu seu próximo adversário. Será o belga David Goffin, que avançou ao superar o espanhol Pablo Carreño Busta por 7/6 (7/5), 7/6 (11/9) e 7/5. Eles vão reeditar a final do Torneio de Halle, na grama alemã, onde o suíço levou a melhor neste ano.

No feminino, avançaram a ucraniana Elina Svitolina e a local Madison Keys. A primeira, atual número cinco do mundo, superou a compatriota Dayana Yastremska por 6/2 e 6/0. E Keys, também num confronto nacional, despachou Sofia Kenin por 6/3 e 7/5.

Duplas

O Brasil faturou três vitórias nas chaves de duplas nesta sexta. Bruno Soares foi quem mais venceu, nas duplas masculinas e também nas mistas. Com o croata Mate Pavic, derrotou os chilenos Cristian Garin e Nicolas Jarry por 3/6, 7/5 e 6/0. Na sequência, o dono de dois títulos do US Open nas duplas mistas, se juntou à local Nicole Melichar para superar os taiwaneses Su Wei Hsieh e Chen Peng por 6/0 e 6/4.

"Hoje foi um dia de superação, com certeza. Viramos na garra e na atitude", disse o brasileiro, referindo-se à estreia nas duplas masculinas. "Terminei o dia com tudo. Nunca é tão fácil uma estreia, mas foi um placar bem mais tranquilo. Joguei um pouco mais solto e foi bom de mais."

Marcelo Melo, por sua vez, derrotou o ucraniano Denys Molchanov e o neozelandês Artem Sitak por 6/2 e 6/4, ao lado do polonês Lukasz Kubot. Os próximos adversários serão o eslovaco Josef Kovalik e o espanhol Albert Ramos-Vinolas.

"Fizemos um belo jogo, diante de dois duplistas que vêm jogando bem também. O importante é seguir nesse ritmo que temos mantido desde a semana passada, com o título em Winston-Salem. Muitos brasileiros aqui torcendo. Agora é focar na próxima rodada", comentou o brasileiro.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade