PUBLICIDADE

Ficar fora do Aberto da Austrália é um ponto de virada para Novak Djokovic

No passado, tenista sérvio já se recuperou de períodos desmoralizantes e voltou a vencer

19 jan 2022 20h10
ver comentários
Publicidade

Mesmo depois de ser expulso da Austrália, Novak Djokovic permanecerá em primeiro lugar no ranking masculino do tênis ao final do Aberto da Austrália, que começou na segunda-feira, sem ele.

Ele ainda detém os títulos do Aberto da França e de Wimbledon; ainda tem membros flexíveis, habilidades formidáveis e uma profunda história de resiliência diante de multidões hostis e probabilidades baixas.

Mas neste esporte tão competitivo, muitas vezes categorizado por épocas e pelos campeões que as definem, não seria surpresa se o domingo marcasse um ponto de virada para Djokovic, simbolizado por sua longa e sombria caminhada até o portão do aeroporto de Melbourne sob a escolta de funcionários da imigração.

Djokovic tem 34 anos e, enquanto deixava a Austrália contra sua vontade depois que seu visto foi cancelado, uma nova geração de estrelas mais altas e muito talentosas do tênis se preparava para buscar o título do torneio Grand Slam que ele dominou como nenhum outro e talvez nunca jogue novamente, se não for revogado seu banimento de três anos do país.

"Isso com certeza pode derrubá-lo", disse no domingo John Isner, amigo de Djokovic e um dos jogadores americanos mais bem classificados. "Sinceramente, não sei qual vai ser o caminho. Pode levar muito tempo para ele se recuperar, reacender a chama".

No passado, Djokovic já se recuperou de períodos desmoralizantes e voltou a vencer. Em 2017, após aquela que talvez tenha sido a fase mais dominante de sua carreira, ele enfrentou problemas de motivação e perdeu por mais de um ano, época em que lidava com problemas pessoais e uma lesão persistente no cotovelo direito. Ele tinha um compromisso com a cura natural - o que prenunciaria sua decisão de não ser vacinado contra o coronavírus. Mas depois de jogar o Aberto da Austrália de 2018 com o cotovelo protegido por uma manga de compressão, ele decidiu, às lágrimas, se submeter a uma cirurgia.

Cinco meses depois, ele voltou a ser campeão de Grand Slam, conquistando o título de Wimbledon de 2018 e logo se restabelecendo como número 1, às custas de seus rivais de longa data, Roger Federer e Rafael Nadal.

No início de 2020, Djokovic ainda estava em alta, começando o ano com 18 vitórias consecutivas antes de a pandemia fechar o esporte por cinco meses. Em junho, durante a pausa forçada, ele organizou uma imprudente turnê de exibição pela Sérvia e Croácia que se transformou em um evento de super difusão de vírus e uma crise de relações públicas, uma vez que ele e outros jogadores e membros da equipe, entre eles o técnico de Djokovic, Goran Ivanisevic, apareceram em imagens dançando e festejando sem máscara em uma boate dos Balcãs, completamente fora de sincronia com o clima global.

A turnê foi cancelada. Djokovic, sua esposa, Jelena, Ivanisevic e outros testaram positivo para o coronavírus, e quando Djokovic voltou à ação em Grand Slam, no US Open de 2020, ele foi eliminado do torneio na quarta rodada: irritado depois de ter seu serviço quebrado, ele descartou uma bola que, inadvertidamente, acertou uma juíza de linha na garganta. Ele foi dispensado pelo árbitro e voltou para a Europa. O jovem austríaco Dominic Thiem acabou ganhando o título.

Depois de todas as decisões duvidosas e arranhões em sua imagem, era de se esperar que Djokovic vivesse mais uma reviravolta. Como reflexo de sua tenacidade e talento, ele voltou em 2021 com uma de suas melhores temporadas: venceu os três primeiros torneios Grand Slam e chegou a uma partida de alcançar o primeiro Grand Slam masculino de simples em 52 anos ao perder para Daniil Medvedev na final do US Open.

Essa demonstração de resiliência em 2021 é um recado para todas aquelas pessoas que acham que Djokovic vai ficar chorando debaixo da cama de seu apartamento em Monte Carlo após o episódio australiano.

Estamos falando de um jogador que se tornou campeão apesar de ter crescido em Belgrado durante o violento desmembramento da Iugoslávia, quando os bombardeios da Otan o obrigavam a interromper os treinos. Ele saiu de casa aos 12 anos para treinar em uma academia de tênis na Alemanha, enquanto seus pais e família tomavam empréstimos e improvisavam para financiar seu treinamento, na esperança de que o esporte fosse seu caminho para dias melhores. Djokovic me disse que seu pai, Srdjan, certa vez reuniu a família, botou uma nota de 10 marcos alemães na mesa da cozinha e explicou que este era todo o dinheiro que restava.

"Ele disse que mais do que nunca tínhamos de ficar juntos e passar por tudo juntos e encontrar o caminho", disse Djokovic na entrevista. "Foi um momento muito poderoso e muito impactante no meu crescimento, na minha vida, nas vidas de todos nós".

O que é uma deportação comparada a tudo isto? A resposta parece evidente, mas as pancadas vão se acumulando. Djokovic está acostumado a ser o forasteiro, a ouvir os rugidos de apoio a Federer e outros adversários, mas vencer mesmo assim. Ele chegou ao ponto de imaginar que as multidões estavam cantando seu nome, mas nunca foi um alvo de reprovação global a este ponto.

Embora insista que não quer ser defensor da causa antivacina, as consequências de sua postura iconoclasta na Austrália - ele é um dos três únicos jogadores do top 100 masculino que não se vacinaram - significam que ele ficará indelevelmente associado ao problema. E enquanto continuar não vacinado, enfrentará desafios para entrar em alguns outros países e torneios.

A energia é uma das marcas registradas de Djokovic. Basta passar um tempo cara a cara com ele para ver sua força vital e sua incansável curiosidade se manifestarem. Mas, nos últimos anos, ele se dedicou muito a causas que estão além de vencer partidas de tênis: enfrentar o status quo do circuito masculino e criar um novo grupo de jogadores para - até agora sem sucesso - promover mudanças e dar mais poder de decisão aos jogadores de todos os níveis do ranking. Ele também ajudou a criar um novo torneio em Belgrado, fez trabalhos de caridade na Sérvia e na região dos Balcãs e cooperou com um documentário de bastidores que deve ser lançado em 2022.

Conteúdo é o que não falta: são muitos os grandes triunfos e também os reveses brutais. Quando tudo isto vai começar a cobrar seu preço? A resposta pode ser: agora.

Mesmo em sua notável temporada de 2021, havia indícios de uma nova vulnerabilidade em quadra. Ele jogou menos - é sua idade dando um alô - e precisou concentrar energia nos torneios maiores. Mas foi mal em alguns eventos regulares do circuito e ficou aquém na Olimpíada, não conseguindo ganhar medalha e perdendo para Alexander Zverev nas semifinais do torneio de simples.

"Uma das coisas interessantes do ano passado foi que ele foi ficando cada vez mais vulnerável a cada semana", disse Patrick McEnroe, comentarista da ESPN e ex-capitão da Copa Davis dos Estados Unidos. "Ele obviamente aprendeu a se preparar e a se superar nos grandes torneios, mas normalmente seria quase imbatível nos outros torneios, e parece que isso mudou. É engraçado: mesmo que ele tenha vencido três Grand Slams, a gente sentia que ele estava meio que pendurado por um fio".

Medvedev e Zverev o venceram nas partidas que realmente importaram em 2021, embora apenas Medvedev tenha conseguido vencê-lo em uma partida de cinco sets que importava. A menos que Nadal possa recapturar a magia após uma longa paralisação e gerar profundidade consistente com seus golpes de fundo de quadra, Medvedev e Zverev são os favoritos na ausência de Djokovic em Melbourne.

Djokovic, se jogar como Djokovic, está pronto para continuar um passo à frente no saibro e na grama, onde nem Medvedev nem Zverev se firmaram em Wimbledon. Mas os fatores intangíveis serão decisivos.

A derrota de Djokovic para Medvedev em Nova York no ano passado pareceu marcar uma mudança na opinião pública: uma conexão mais profunda e uma apreciação por sua excelência duradoura, mesmo que ele não tenha conseguido completar sua missão. Mas, depois de Melbourne, parece absurda a ideia de que ele poderia, no outono da carreira, igualar a popularidade global de Federer e Nadal. Djokovic vem polarizando o debate há muito tempo e, ao que parece, vai continuar assim.

Suas decisões desastrosas não ajudam: escolher se reunir com repórteres quando deveria ter se auto-isolado após um resultado positivo para coronavírus foi o exemplo mais recente.

A culpa pelo caso australiano não foi toda sua. As mensagens confusas das autoridades australianas sobre os requisitos para entrada no país tiveram um papel fundamental. Assim como o clima político e social quando ele chegou a um país e a uma cidade que estavam enfrentando aumento nos casos, apesar das medidas extremas e lockdowns de 2020 e 2021. Em retrospecto, ele não deveria ter vindo. Mas agora é tarde demais.

O Aberto da Austrália acontecerá sem Djokovic pela primeira vez desde 2004. E, com Federer lesionado, esta é a primeira vez na longa carreira de Nadal que ele será o único representante dos Três Grandes em um torneio de Grand Slam.

A era dos Três Grandes tem sido uma das mais cativantes e duradouras dos esportes, e eles compartilham o recorde masculino com 20 títulos de Grand Slam cada. Não é impossível que tudo termine empatado. Sua era está nos últimos estágios, dadas as suas idades e os talentos que vão surgindo no seu rastro. Tudo o que aconteceu em Melbourne nos últimos onze dias pode acelerar a transição. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Estadão
Publicidade
Publicidade