PUBLICIDADE

Djokovic tem deportação adiada após visto cancelado e terá encontro com a imigração neste sábado

A três dias do Aberto da Austrália, tenista corre risco de ficar fora do primeiro Grand Slam da temporada

14 jan 2022 04h28
| atualizado às 09h07
ver comentários
Publicidade

As autoridades australianas decidiram adiar a deportação de Novak Djokovic até um pronunciamento da Justiça após o tenista ter o visto cancelado pela segunda vez. O sérvio, não vacinado contra a covid-19, requisito obrigatório para entrar no país, terá um encontro com a imigração neste sábado, dia 15. Assim, o número 1 do mundo pode ficar fora da disputa do Aberto da Austrália, que começa na segunda-feira, 17 de janeiro.

Stephen Lloyd, advogado do Ministério da Imigração, declarou durante uma audiência em um tribunal de Melbourne nesta sexta-feira que Djokovic não será detido nesta noite", nem tampouco deportado, já que é preciso esperar a entrevista que o tenista fará com autoridades da imigração. A expectativa é que uma nova detenção do sérvio ocorra neste sábado.

O ministro da Imigração, Alex Hawke, usou poderes discricionários para cancelar novamente o visto de Djokovic, depois que um tribunal anulou uma revogação anterior e o liberou da detenção de imigração na segunda-feira.

"Hoje eu exerci meu poder sob a seção 133C(3) da Lei de Migração para cancelar o visto detido por Novak Djokovic por motivos de saúde e boa ordem, com base no interesse público", disse Hawke em um comunicado.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, também em comunicado, defendeu o cancelamento do visto e citou o enorme sacrifício que os australianos fizeram na pandemia para ficarem protegidos. "Nossas fortes políticas de proteção de fronteiras mantiveram os australianos seguros", afirmou.

Após esta decisão, um tribunal de Melbourne vai realizar uma audiência de emergência nesta sexta-feira para lidar com o novo cancelamento do visto, quando o juiz federal Anthony Kelly, que na segunda-feira concordou com o número 1 do mundo e liberou sua entrada na Austrália, vai ouvir os advogados do tenista para dar uma posição final.

Estadão
Publicidade
Publicidade