PUBLICIDADE

Classificada às quartas, Bia Haddad diz ser inspirada por Laura Pigossi e Luisa Stefani

23 jan 2022 12h11
| atualizado às 12h11
ver comentários
Publicidade

Neste sábado, a brasileira Beatriz Haddad, ao lado da cazaque Anna Danilina, derrotou a espanhola Aliona Bolsova e a norueguesa Ulrikke Eikeri e se classificou para as quartas de final do torneio de duplas do Aberto da Austrália.

Após a partida, Bia confessou que não foi o melhor dia da dupla, mas que gostou de seu desempenho individual.

"Foi um dia muito positivo. Não jogamos bem como nos outros dias, mas foi na garra, na luta. Nós passamos por momentos difíceis nos jogos da semana passada também, então lembramos que é jogar ponto a ponto e puxar uma a outra sempre. Acho que é por isso que conseguimos reverter as adversidades de hoje. Pessoalmente, acho que fiz um jogo individual muito bom. Acho que fiz boas bolas e trabalhei bem na rede. Muito feliz de estar nas quartas e na segunda semana de um Grand Slam", disse a brasileira.

Veja também:

Confira o canal da Gazeta Esportiva no Youtube!

Com a classificação, Haddad se tornou a primeira tenista brasileira a atingir as quartas de final do Aberto da Austrália na Era Aberta. Ela comemorou a marca e revelou ser inspirada pelas compatriotas Laura Pigossi e Luisa Stefani, medalhistas de bronze em Tóquio.

"Elas me ensinaram muito. Nós da América do Sul estamos atrás das outras em alguns fatores, tanto tenístico como de formação, torneio, patrocínio, investimentos, tudo. É muito difícil comparar um europeu com um sul-americano. E aí vemos a Laura e a Luísa quebrando tabus, indo lá, se expondo e ganhando dessas meninas… Elas mostraram pra gente que é possível e que posso fazer o mesmo", relatou.

Na próxima fase, Bia e Anna irão enfrentar a dupla formada pela sueca Rebecca Peterson e a russa Anastasia Potapova. A brasileira disse que não espera um confronto fácil.

"São jogadoras muito agressivas, que pegam muito na bola. A gente vai ter que ser corajosa e jogar melhor do que hoje. Temos que manter a energia sempre lá em cima, porque dupla muda muito rápido", finalizou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade