0

Surfista peruano sonha com classificação olímpica no Pan de Lima

Modalidade estreia na competição justamente na 'casa' de Lucca Mesinas

22 fev 2019
15h10
  • separator
  • comentários

Os Jogos Pan-Americanos de Lima promoverão a estreia do surfe como esporte olímpico. A modalidade estará nos Jogos de Tóquio, em 2020, e provavelmente em Paris, em 2024. E será no Peru que fará sua primeira grande aparição, sem os grandes nomes do Circuito Mundial, mas valendo ao campeão uma vaga do continente na Olimpíada.

"Estou muito feliz que será no Peru. Vai ser em Punta Rocas, que tem uma onda muito boa, e será um campeonato bem importante. Estamos treinando no Peru e nos preparando para o Pan", explicou o surfista peruano Lucca Mesinas, que vai representar seu país em um local que conhece bem e, segundo ele, tem onda o tempo todo.

"É um pico que as ondas principais são de direita, mas também tem ondas para a esquerda. É uma onda larga, com força, para fazer manobras", explica o atleta, que competiu no Oi Hang Loose Pro Contest em Fernando de Noronha em condições diferentes, pois na etapa brasileira do QS (divisão de acesso) as ondas também são tubulares.

Para ele, o incentivo em seu país está sendo grande. "É muito importante, o governo no Peru está apoiando bastante já que é uma modalidade olímpica e se eu vencer o Pan conquistarei a vaga para a Olimpíada. Por isso é importante para nós. É um sonho competir em Tóquio, seria incrível", explica.

No Pan em Lima, haverá a disputa de surfe tradicional, longboard e SUP (Stand up Paddle). Já existe uma pré-lista de atletas, mas que ainda pode sofrer alterações, principalmente no longboard. No surfe, quem vai representar o Brasil é Robson Santos no masculino e Karol Ribeiro no feminino.

Já para os Jogos de Tóquio, em 2020, as vagas nacionais devem sair do Circuito Mundial de Surfe. São dez vagas no masculino e oito no feminino pelo ranking, valendo-se da regra de dois atletas por país. Desta forma, o Brasil não deve precisar da vaga pelo Pan ou pelo Mundial da ISA, pois são poucas nações que disputam a elite do Circuito Mundial de Surfe.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade