0

Pato volta a marcar após 6 meses de 'seca' e exalta Diniz

Jogador faz dois gols diante do Oeste e festeja bom rendimento no ataque da equipe

23 fev 2020
04h49
atualizado às 10h22
  • separator
  • 0
  • comentários

Alexandre Pato teve nova chance de ser titular no São Paulo e desta vez aproveitou a oportunidade com brilho. Ele marcou dois gols, viu Daniel Alves fazer outros dois e garantiu a vitória do time sobre o Oeste por 4 a 0. O resultado colocou o time na liderança do Grupo C do Campeonato Paulista, com 12 pontos.

Foto: Maurício Rummens/Fotoarena / Estadão

"Quando não faz gol não é bom, quando faz é bom. Mas futebol é assim, tem de trabalhar bastante, sei que preciso me esforçar bastante. Tenho feito o que o professor tem pedido e não são os gols, mas o grande resultado que vale", afirmou o jogador, que voltou a balançar as redes após seis meses de jejum.

Ele entrou em campo ainda engasgado ao ter dois gols legítimos anulados diante do Novorizontino, há quatro rodadas. E sabia que tinha pressão para marcar. O técnico Fernando Diniz optou por ele na frente, deixando Pablo no banco. E se no primeiro tempo Daniel Alves garantiu a vantagem parcial, com um belo gol pegando de primeira o cruzamento de Reinaldo, na etapa final Pato encantou.

"Tivemos 20 minutos muito bons, depois eles pressionaram, mas voltamos para o segundo tempo diferentes e conseguimos fazer um placar elástico", festejou Pato, que marcou após aproveitar rebote do goleiro em chute de Igor Gomes e cobrou o pênalti que ele mesmo sofreu no final da partida. Além dos gols, ainda deu a assistência para Daniel Alves marcar seu segundo gol no duelo.

Após a boa atuação, ele agradeceu ao técnico Fernando Diniz. "É um treinador que senta, conversa, explica as coisas, que tem me dado oportunidade para poder criar. Contra o Corinthians poderia ter sido gol, mas o Cássio fez uma defesa incrível. Tenho de estar ali para marcar quando aparecer a oportunidade", avisou o jogador, brincando que seu novo corte de cabelo deu sorte. "Minha esposa cortou e espero que possa continuar assim."

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade