PUBLICIDADE
Logo do

São Paulo

Meu time

Muricy elogia atuação do São Paulo no clássico e afirma: "Temos que dar tempo ao treinador"

8 out 2021 19h11
| atualizado às 19h11
ver comentários
Publicidade

Muricy Ramalho ficou satisfeito com o desempenho do São Paulo no clássico contra o Santos, apesar do empate em 1 a 1 no Morumbi. Mesmo não subindo na tabela, se mantendo próximo da zona de rebaixamento do Brasileiro, o time comandado por Hernán Crespo foi aguerrido do início ao fim, dominando o jogo e criando as melhores oportunidades de gol.

"O time foi muito mais forte ontem, foi pra cima, correu um pouco de risco, mas é natural, criou oportunidades. O resultado não foi bom, mas nos animamos, porque vimos um outro time, completamente diferente daquele contra a Chapecoense. O que a gente quer e o que passamos para os jogadores e treinador é que o torcedor do São Paulo gosta de ver o que viu ontem, um time que briga. Os caras brigaram o tempo todo.", disse Muricy em entrevista à TNT Sports.

Justamente por isso, Muricy Ramalho, atual coordenador técnico do São Paulo, defende a permanência de Hernán Crespo à frente da equipe, até porque o argentino tem apenas sete meses de casa e ainda busca entender a cultura do futebol brasileiro e o comportamento de seus jogadores.

"Eu estou lá pra ver o trabalho de todo mundo, do treinador aos jogadores. Só que a gente tem que ter no futebol paciência. Temos que dar tempo ao treinador, que é um treinador que vem de outro país, não conhece e ainda está com dificuldade para conhecer nosso futebol brasileiro, porque é uma loucura. O Crespo ainda está conhecendo, por mais que eu explique para ele, porque às vezes ele não entende", prosseguiu.

"Em relação às alternativas táticas, até posso falar alguma coisa, os times no Brasil estudam muito os adversários, o time do São Paulo está tendo dificuldade na saída de bola, mas só não entro na parte tática do time, com qual esquema ele vai jogar. Também não entro na parte da escalação, porque quando era treinador não gostava que ninguém se metia no meu trabalho. Nesse ponto protejo bastante o Crespo. Agora, indico alguns jogadores, falo coisas gerais, dou alguns toques. O Crespo me dá muita liberdade para que eu converse com ele, porque ele é um treinador em evolução", concluiu.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade