PUBLICIDADE
Logo do

São Paulo

Favoritar Time

Ceni fala em 'orgulho' após tirar invencibilidade do Palmeiras

Treinador diz que torcida tem que valorizar jogos do Tricolor ante líder do Brasileirão

24 jun 2022 - 01h27
(atualizado às 07h37)
Ver comentários
Rogério Ceni durante a vitória do Tricolor sobre o Palmeiras, no Morumbi (Foto: Rubens Chiri/São Paulo FC)
Rogério Ceni durante a vitória do Tricolor sobre o Palmeiras, no Morumbi (Foto: Rubens Chiri/São Paulo FC)
Foto: Lance!

Para quem acompanhou a entrevista de Rogério Ceni na última segunda-feira (20), o primeiro ponto a se notar na noite desta quinta-feira (23), após a vitória por 1 a 0 do São Paulo sobre o Palmeiras, no Morumbi, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, é o semblante do treinador. Animação? Longe disso. O sentimento é de satisfação. E o comandante tricolor só soube enfatizar um ponto, o orgulho de sua equipe em jogar de igual para igual com o rival que lidera com folgas no Campeonato Brasileiro e ostentava 19 jogos invicto.

"Tenho orgulho de trabalhar no São Paulo e enfrentar equipes do tamanho de Palmeiras, Corinthians, Santos... Às vezes saímos vencedor, às vezes perdendo, como foi na segunda. Mas jogar de igual para igual com o líder do Brasileiro, que fez a melhor campanha da fase de grupos da Libertadores, é motivo de orgulho pro torcedor ver que a gente consegue jogar de igual pra igual."

Se na segunda a fala de Ceni soou como justificativa furada pelo simples motivo do treinador buscar qualidades em meio a uma virada traumática, desta vez a mesma frase ganhou outra conotação, diante de um Tricolor que se impôs e dominou o até então temido rival alviverde.

"O único jogo a se esquecer foi do Allianz Parque (final do Campeonato Paulista, derrota por 4 a 0). A maior lição que eu tive foi acreditar nas próprias convicções, com os jogadores de segunda sendo os mesmos de hoje. Em 194 minutos estivemos na frente, em apenas um minuto o Palmeiras esteve na frente. Acreditar nas convicções e trabalhar."

Para isso - e por isso -, Ceni endossou a convicção de escalar o mesmo time de segunda. A pauta foi polêmica. Após a virada traumática, o treinador disse que a decisão de colocar força máxima em campo não era somente sua. Era um misto de sentimentos, que envolvia a precaução com um elenco curto, combalido com oito lesões (ganhou mais uma agora, de Arboleda) e falta de rumo pelo resultado. O próprio elenco tratou de solucionar a questão. Segundo o LANCE! apurou, líderes se reuniram com o treinador e se colocaram à disposição. Estavam com o Palmeiras engasgado. Queriam dar uma resposta. Ela veio. Respaldo também da própria diretoria, segundo o próprio Ceni revelou.

"Convicção foi a mesma de segunda-feira, era o melhor time que tinha na minha cabeça pra enfrentar o Palmeiras. Hoje ele entrou praticamente igual, só algumas mudanças de movimentação, que sofremos com alguns ajustes. Tempo que tivemos um único trabalho de minutos para encaixar a marcação quando o Dudu ultrapassava. Foi um time seguro que na segunda-feira poderia ter saído com o mesmo resultado, mas as vezes analisamos o jogo de trás para frente. A minha grande virtude foi ver que poderia repetir os atletas e a grande virtude dos atletas foi a de dar essa resposta, de dar essa entrega, essa dedicação em campo."

E como não poderia faltar, o treinador aproveitou a 'crista da onda' para alfinetar o tratamento recebido após o jogo de segunda.

"Às vezes as pessoas gostam de atacar o treinador porque ele representa muito a instituição. Eu garanto que o cara que melhor pode representar a instituição nesse momento de dificuldade está aqui. Mas eu entendo. Vocês me batem bastante, mas eu fui feito para apanhar dessa maneira. Eu faço escolhas. O clube pode fazer a escolha de me tirar. Mas trabalhar com o trabalho no clube e que conheço? Desculpa, você não vai encontrar ninguém que sabe tanto e trabalha tanto."

Lance!
Publicidade
Publicidade