PUBLICIDADE
Logo do

São Paulo

Meu time

Casares diz não ter dúvidas sobre permanência de Galeano no São Paulo

1 mai 2021
07h20 atualizado às 07h20
0comentários
07h20 atualizado às 07h20
Publicidade

Uma das principais surpresas do São Paulo neste início de 2021 é o jovem Galeano. O atacante de apenas 21 anos, no entanto, corre o risco de deixar o Tricolor ao fim da temporada. Isso porque ele está emprestado pelo Rubio Ñu, do Paraguai até o fim deste ano.

O clube do Morumbi tem o direito de compra, estipulado em 1 milhão de dólares (aproximadamente (R$ 5,4 milhões), mas a diretoria já afirmou que este ano será de contenção econômica, já que o São Paulo encara uma dívida de mais de R$ 600 mi. Mesmo assim, o presidente Julio Casares afirmou que o atleta permanecerá na sua equipe.

"Todo grande jogador do elenco do São Paulo vai trabalhar para que ele permaneça. Com o Galeano não será diferente, assim todos os demais. Nós vamos estabelecer o nosso investimento dentro também das nossas condições. Mas eu não tenho dúvida que o Galeano continuará no São Paulo. Quando você tem que renovar com os atletas, nós saímos na frente, discutindo com muita tranquilidade e calma, abrimos os números e ele ele passa a entender essa dinâmica de gestão. Nós acreditamos muito que o Galeano vai continuar São Paulo", disse em coletiva.

O atacante paraguaio chegou o Tricolor em 2020, para compor o time de base são-paulino. Nas categorias inferiores, ele soma 75 jogos e 22 bolas na rede. Já no profissional, ele  realizou dez jogos, sendo cinco nesta temporada, além de um gol, anotado no último domingo, no triunfo de 3 a 0 sobre o Ituano, pelo Paulistão.

Casares também aproveitou para explicar os motivos pelo qual o meia Gabriel Neves não foi contratado. O atleta uruguaio chegou perto de ser anunciado como reforço, mas a diretoria deu um passo atrás devido aos valores da negociações, que não cabiam no bolso do time paulista.

"Era um jogador que nós queríamos, um grande jogador uruguaio, e nós não trouxemos porque porque nós não iríamos cometer alguns erros que nós imaginávamos que era muito grave em fazer um investimento acima das condições de orçamento de investimento. Então, tudo tem que ter equilíbrio. É muito simples: vai entrar um de 12, tem que sair dois de seis ou três de quatro, se não conta não fecha", finalizou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade