PUBLICIDADE
Logo do

Santos

Favoritar Time

Auxiliar de Bustos vê Santos com 'orgulho' recuperado, mas não espera fim da pressão

Lucas Ochandorena reconhece que goleada sofrida na Copa do Brasil colabora para deixar o ambiente do clube mais tenso

26 jun 2022 - 08h10
(atualizado às 08h10)
Ver comentários
Publicidade

Substituto de Fabián Bustos, suspenso, no banco da Neo Química Arena, o auxiliar Lucas Ochandorena afirmou ter visto o Santos recuperar o "orgulho" durante o empate com o Corinthians, na noite de sábado, após a goleada para o rival na última quarta-feira, pela Copa do Brasil. Apesar disso, não acha que foi o suficiente para estancar a pressão da torcida nos próximos compromissos decisivos do clube.

Questionado, em coletiva de imprensa, sobre a possibilidade de Bustos e sua comissão técnica serem dispensados pela diretoria em caso de novo tropeço, Ochandorena disse reconhecer que uma situação como perder por 4 a 0 para um rival deixa o ambiente mais tenso. Para ele, contudo, isso é apenas uma extensão da pressão constante do dia a dia.

"O mais sagrado que tem a um jogador de futebol é o orgulho. Os jogadores demonstraram que são de personalidade e de caráter", comentou o auxiliar. "A pressão sempre vai existir. O Santos é um time grande, que conquistou títulos importantes, temos que estar à altura. Sabemos que existe a pressão e vamos enfrentá-la com o profissionalismo que merece. Estamos no Santos e temos a obrigação de jogar cada partida para ganhar", completou.

Depois de empatar com o Corinthians, o Santos se prepara para mais um duelo de mata-mata. Na quarta-feira, estará na Venezuela enfrentando o Deportivo Táchira, em San Cristóbal, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Sul-Americana. Uma derrota, dependendo das circunstâncias, pode jogar o nível de pressão lá no alto novamente.

Uma semana depois, no dia 06 de julho, o time santista disputará o jogo de volta. Na semana seguinte, reencontra o Corinthians pelo segundo jogo das oitavas da Copa do Brasil, com a difícil missão de reverter o 4 a 0 da primeira partida. Ochandorena acredita que é possível reagir. "Não estamos eliminados. Temos sempre que acreditar. Do impossível ao possível é um caminho só, que é acreditar", disse.

Estadão
Publicidade
Publicidade