2 eventos ao vivo

Dirigente da Ponte Preta dá respaldo ao técnico e garante salários em dia

Com três derrotas e uma vitória desde que foi contratado, Marcelo Oliveira recebeu o respaldo do executivo de futebol do clube

27 out 2020
21h54
atualizado às 21h54
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O executivo de futebol da Ponte Preta, Gustavo Bueno, foi o responsável por falar com a imprensa na tarde desta terça-feira, quando aconteceu a reapresentação do elenco da equipe após a segunda derrota seguida na Série B do Campeonato Brasileiro, resultando na saída do time do G-4 da tabela.

Com três derrotas e uma vitória desde que foi contratado, Marcelo Oliveira recebeu o respaldo do dirigente. Gustavo Bueno disse que ainda é muito cedo para fazer uma análise do trabalho do treinador, mas procurou passar confiança.

Dirigente da Ponte Preta dá respaldo ao técnico e garante salários em dia.
Dirigente da Ponte Preta dá respaldo ao técnico e garante salários em dia.
Foto: Divulgação/PontePress / Estadão

"Qualquer tipo de análise que seja feita com relação ao trabalho da comissão técnica não deixa de ser um pouco precipitada nesse momento. São 16 dias de trabalho, com quatro jogos durante esse período. Claro que se formos analisar pelos resultados, eles estão abaixo. Mas, quando contratamos o Marcelo, contratamos porque é um treinador experiente, multicampeão, que vai nos ajudar na luta pelo acesso", disse Gustavo Bueno.

O dirigente admitiu que a Ponte Preta passa por um período de oscilação dentro do campeonato - tanto que deixou o G-4 na última rodada -, mas lembrou que outros times também sofreram com altos e baixos neste primeiro turno.

"Essa oscilação faz parte da competição. Não é uma situação que faz parte só da Ponte Preta. O América-MG ficou quatro jogos sem vencer, o Paraná ficou sete, o Cuiabá só ganhou um ponto nos últimos três jogos. É a primeira oscilação da Ponte na Série B e esperamos sair o quanto antes desse momento", analisou Bueno.

Por último, Gustavo Bueno garantiu que a queda de rendimento dentro de campo não tem nenhuma ligação com fatores externos, como salários atrasados. "É importante deixar claro que a diretoria vem cumprindo com os pagamentos em dia. Não podemos usar isso como justificativa pelo momento de oscilação. Todo mundo está recebendo em dia", afirmou o dirigente.

Na sexta colocação, com 27 pontos, a Ponte volta a campo na próxima segunda-feira, contra o Figueirense, às 17h30, no Moisés Lucarelli, pela última rodada do primeiro turno da Série B.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade