0

Saída de Reginaldo Leme marca fim de uma era da F1 na Globo

Comentarista deixa a emissora depois de 41 anos e seis títulos mundiais conquistados por Senna e Piquet

27 nov 2019
16h59
  • separator
  • 0
  • comentários

 

Os novos tempos globais já deixaram pra trás atrizes como Malu Mader, repórteres como Mauro Naves e Márcio Canuto, e uma apresentadora que se confundia com a história do Esporte Espetacular de 20 anos pra cá: Glenda Kozlowski. A crise financeira ajuda a explicar tamanha debandada, embora motivos distintos tenham colocado um ponto final na saída de cada um desses profissionais.
 

Galvão Bueno vai ficar sem o seu companheiro de transmissões da F1, Reginaldo Leme(Foto: Reprodução/Instagram @regileme)
Galvão Bueno vai ficar sem o seu companheiro de transmissões da F1, Reginaldo Leme(Foto: Reprodução/Instagram @regileme)
Foto: LANCE!

No caso de Reginaldo Leme, que cobriu a época de ouro da Fórmula 1 na emissora, com os seis títulos de Piquet e Senna, é preciso lembrar também que a audiência caiu bastante nos últimos anos. Mesmo sem ter campeões, vitórias esporádicas de Felipe Massa e Rubens Barrichello traziam bons índices para a emissora. Sem brasileiros nas pistas, o apelo caiu bastante, embora nesta temporada, especificamente, o Ibope tenha melhorado um pouco, ajudado pelo surgimento do corredor de Mônaco, Charles Leclerc, e pelas atuações do fenômeno Lewis Hamilton, que conquistou o hexacampeonato.

 

Satisfeito em já ter conquistado um público cativo que gosta de automobilismo, muito por causa da parceria entre Galvão Bueno e Reginaldo Leme, a Globo deixou claro mais uma vez,  agora com a saída de Regi, que não existe mais exceção na sua política de cortes e adaptação à nova realidade. A regra é clara, como diria Arnaldo Cezar Coelho, outro, aliás, que também deixou a emissora. O risco maior talvez nem seja perder audiência, mas principalmente a identidade.

 

 

 

Paradinha Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade