PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Favoritar Time

Três semanas depois, Palmeiras volta a estádio onde sofreu com apagão e gramado ruim

28 jul 2022 - 07h21
Ver comentários
Publicidade

O Palmeiras enfrenta o Ceará, neste sábado, às 16h30 (de Brasília), na Arena Castelão, em Fortaleza, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro, a primeira do segundo turno. Há cerca de três semanas, no último dia 10, o time comandado pelo técnico português Abel Ferreira visitou o Fortaleza, pela 16ª rodada, e a experiência não foi nada boa no duelo que terminou empatado sem gols.

Para começar, a reclamação foi geral com relação ao estado do gramado da arena que sediou jogos da Copa das Confederação, em 2013, e da Copa do Mundo, no ano seguinte. Como Ceará e Fortaleza dividem o estádio e jogaram muitas vezes nesta temporada - cada um disputou ou disputa cinco competições em 2022 -, o campo tem muitos defeitos, que foram ainda mais evidenciados com o período de chuvas no Ceará que acontece de março a junho.

Outro problema, que está ficando recorrente, na Arena Castelão é com a energia. No duelo entre Fortaleza e Palmeiras, perto dos 45 minutos do segundo tempo, um apagão aconteceu. A arbitragem aguardou meia hora para ver se a energia voltava, mas o jogo foi encerrado antes dos 90 minutos regulamentares.

O estádio pertence ao Governo do Estado do Ceará e sobre o assunto a Secretaria do Esporte e Juventude (Sejuv) disse que a falta de luz foi causada por um curto-circuito na estação de energia da Enel (empresa de geração e distribuição de eletricidade). Dias depois o problema voltou a acontecer, dessa vez na partida entre Ceará e Avaí, pela 18ª rodada do Brasileirão. O jogo começou com 47 minutos de atraso.

Projetando o duelo contra o Ceará, Abel Ferreira citou as condições de jogo da Arena Castelão. "Ninguém quer saber disso. Ninguém quer saber do gramado, ninguém quer saber das viagens, ninguém quer saber do tempo de recuperação. Portanto, vamos fazer o melhor que conseguirmos dentro dos recursos que dispomos. Já vi que essa é uma luta perdida já desde o tempo de Telê Santana e com isso não vou perder mais tempo. Há quem não queira que isso vá para frente. Portanto, independentemente de como esteja o relvado (gramado), independentemente da viagem de quatro horas, independentemente do calor, vamos fazer o que temos feito até agora. Única coisa que peço aos meus jogadores é darem o melhor deles seja onde for, seja contra quem e jogar para vencer. E é isso que vamos fazer", comentou o treinador.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade