0

Romarinho brilha contra Palmeiras e se reafirma carrasco e talismã

17 fev 2013
18h06
atualizado às 23h23
  • separator
  • 0
  • comentários

Nada do caro Renato Augusto ou do caríssimo Alexandre Pato, que até entrariam em campo. A primeira opção de Tite para tentar reverter a pane do Corinthians durante parte do dérbi deste domingo, contra o Palmeiras, no Estádio do Pacaembu, foi Romarinho. Exatamente aos 13min da etapa final, o camisa 31 foi chamado para acrescentar mais um gol à galeria pessoal contra o maior rival corintiano. Reafirmou a fama de talismã e virou protagonista do segundo tempo que se encerrou com empate por 2 a 2.

Romarinho recebeu passe de Alexandro Pato e, de chapa, acertou o chute para o segundo gol corintiano
Romarinho recebeu passe de Alexandro Pato e, de chapa, acertou o chute para o segundo gol corintiano
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

Chamado para entrar aos 13min, Romarinho demorou outros 13 para marcar pela quarta vez em três jogos contra o Palmeiras. Ele até já havia ameaçado Fernando Prass assim que entrou em campo, mas não perdoou na segunda oportunidade.

Lançado em contragolpe na ponta esquerda, Pato encontrou espaço precioso na entrada da área e serviu: Romarinho dominou, posicionou o corpo e colocou com enorme categoria no canto de Fernando Prass. Explosão no Pacaembu.

Na hora de celebrar, correu para o alambrado, fez festa e tomou o cartão amarelo mais saboroso da carreira pela demora na comemoração. Impossível não lembrar outro momento dele próprio no dérbi contra o Palmeiras, ainda pelo último Campeonato Brasileiro. Em jogo de mando rival, ele marcou, se confundiu na hora de comemorar e acabou por fazer a festa diante dos palmeirenses e deu início a uma grande confusão.

A participação de Romarinho neste domingo foi mais parecida com a estreia pelo Corinthians, em 4 de julho. Naquela tarde também no Pacaembu, com um time misto, marcou duas vezes, inclusive de letra, e carregou o time nas costas. Neste domingo também foi assim ao sair do banco de reservas para reverter o panorama do dérbi que era dominado pelo Palmeiras.

Romarinho melhorou a transição defesa-ataque ao lado de Renato Augusto, decretou o empate e a equipe corintiana por pouco não viraria o marcador.

Em um grupo de tantas opções boas especialmente na frente, Romarinho certamente terá dificuldades para encontrar um espaço na equipe titular, mas consegue lidar muito bem com a condição de reserva. Mais que alternativa, é talismã do treinador Tite e encontrou uma maneira prática para ser ídolo no Corinthians. Além de ter marcado em uma final de Copa Libertadores, é carrasco dos palmeirenses.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade