PUBLICIDADE

Yamaha x Ducati: diferentes e parecidas, construtoras partilham protagonismo em 2021

Restando apenas quatro etapas para o fim da temporada 2021 da MotoGP, as duas Construtoras duelam pela tríplice coroa, mas, além de algumas semelhanças, guardam também várias diferenças

28 set 2021 05h02
ver comentários
Publicidade
Fabio Quartararo e Francesco Bagnaia são os dois primeiros na classificação da MotoGP
Fabio Quartararo e Francesco Bagnaia são os dois primeiros na classificação da MotoGP
Foto: AFP / Grande Prêmio

A MotoGP tem duas grandes protagonistas na temporada 2021: Yamaha e Ducati. Apesar de claros momentos de destaque de Honda, Suzuki, Aprilia e KTM, as marcas japonesa e italiana seguem duelando ponto a ponto neste ano, ainda mais quando o assunto diz respeito aos Mundiais de Construtores e Equipes.

Às vésperas da 15ª das 18 etapas previstas para este ano, a casa de Borgo Panigale lidera a disputa entre as fábricas com só 13 pontos de vantagem para a rival da terra do sol nascente. No duelo das equipes, o comando é da Yamaha, que tem só três pontos a mais que os italianos. A diferença mais gritante aparece apenas no Mundial de Pilotos, com Fabio Quartararo liderando Francesco Bagnaia por 48 pontos.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Yamaha e Ducati têm sido as protagonistas de 2021 (Foto: AFP)

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

As semelhanças, porém, não vão muito além disso. Em 2021, são quatro YZR-M1 no grid da MotoGP, contra seis Desmosedici ― embora neste ponto exista um fator em comum: a presença de uma M1 de 2019, que começou o ano com Franco Morbidelli, mas agora está com Andrea Dovizioso; e de duas GP19, com Enea Bastianini e Luca Marini.

Também, a Ducati leva vantagem no número de pilotos vencedores. Com a Yamaha, apenas Quartararo e Maverick Viñales foram ao topo do pódio, enquanto que a Ducati contabilizou triunfos de Jack Miller, Jorge Martín e Francesco Bagnaia. Em termos de placar, são seis vitórias da M1 ― cinco delas com o francês de Nice ― contra cinco da GP21.

Vale lembrar que a marca dos três diapasões viveu um ano tumultuado. Além da lesão que manteve Franco Morbidelli no estaleiro um longo período, a conturbada partida de Viñales também deu o tom do campeonato.

No total de pódios, a Yamaha fez 12 visitas ao top-3 ― nove delas com Quartararo ―, contra 17 da Ducati, que além de Miller, Martín e Bagnaia, também soma pódios com Enea Bastianini ― um ― e Johann Zarco ― quatro.

Outra diferença reside na média de idade. A Yamaha tem um time mais velho, mas é preciso destacar que a media etária de 29 anos sobe em função dos 42 de Valentino Rossi. Na Ducati, Zarco é o mais velho, com 31, mas a média dos seis representantes é de 25,1.

Tal qual mostra a tabela de classificação do campeonato, Quartararo e Bagnaia são os dois pilotos mais regulares de 2021 e conduzem as equipes em busca de um mesmo objetivo. A Yamaha encara em jejum de cinco anos, já que a última conquista no Mundial de Pilotos data de 2015, com Jorge Lorenzo. A seca da Ducati é muito maior. A casa de Borgo Panigale foi campeã uma única vez, em 2007, ainda com Casey Stoner.

O cenário, contudo, é amplamente mais favorável à Yamaha, já que a vantagem de Quartararo é bastante confortável. A Desmosedici, porém, parece ser uma moto mais completa, e conta a favor de Pecco o fato de ele ter mais 'escudeiros' para atuar em seu fazer. Não que Miller e Zarco, por exemplo, tenham de cumprir eventuais ordens de equipe, mas podem ser mais pilotos entre Bagnaia e Fabio, o que ajuda a descontar pontos na classificação. Os japoneses, no momento, não contam com muitos aliados para Fabio, já que Morbidelli ainda está em recuperação, Dovizioso pouco conhece da moto e Rossi ainda não encontrou competitividade.

A tarefa é árdua, mas enquanto a chance matemática existir, o sonho da Ducati vai seguir vivo. Cabe a Quartararo proteger nas últimas quatro corridas a liderança de construiu ao longo de todo o ano.

A MotoGP volta às pistas no próximo dia 3 de outubro para o GP das Américas, em Austin, no Texas. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade