PUBLICIDADE

Viñales descarta aposentadoria e promete lutar para seguir com Aprilia na MotoGP

Maverick Viñales pediu tempo para se adaptar à Aprilia, mas reiterou que gosta da moto e quer seguir com a equipe na MotoGP

18 mai 2022 12h26
| atualizado às 12h32
ver comentários
Publicidade
Maverick Viñales
Maverick Viñales
Foto: Aprilia / Grande Prêmio

BASTIANINI, MARTÍN OU MILLER: QUEM FICA COM A VAGA NA DUCATI NA MOTOGP EM 2023?

Depois de alguns momentos conturbados com a Yamaha, Maverick Viñales aceitou o desafio de correr pela Aprilia no ano passado, para a segunda perna do campeonato . E se em 2021 a equipe conquistou seu primeiro pódio na classe rainha, neste ano estreou no lugar mais alto do pódio com Aleix Espargaró. É nítida a evolução da RS-GP. E o piloto de Figueres valoriza isso.

Embora tenha passado anos com motos japonesas, Maverick admite que a adaptação é um processo longa — o qual, ele reitera, que gosta de passar. E é por isso que ele afasta qualquer possibilidade de aposentadoria ou mudança de equipe, pelo menos neste momento.

"Estou bem onde estou e quero melhorar. A moto pode ficar muito boa, pode ter muito potencial. Quero continuar neste projeto porque, sinceramente, gosto da moto, gosto da equipe e da forma como estamos focando em tudo. Vou lutar por este projeto", disse ele.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Maverick Viñales quer seguir na Aprilia (Foto: Aprilia)

O BRASIL EM DUAS RODAS

"De jeito nenhum, de jeito nenhum!", respondeu, quando questionado sobre se aposentar. "Estou calmo e tenho tempo. A cada ano me sinto melhor, mais preparado e melhor fisicamente. Eu sei que vai ser um processo para me adaptar a uma moto completamente nova. Afinal, eu pilotei duas motos japonesas em nove anos e que são muito diferentes, não têm nada a ver uma com a outra, vai levar tempo", acrescentou.

Sua melhor posição foi um sétimo lugar conquistado na Argentina — onde seu companheiro de equipe triunfou. Antes da Aprilia, Viñales ingressou ao Mundial pela Suzuki, em 2015. Depois, em 2017, chegou à Yamaha.

"Acho que meu estilo de pilotagem vai acabar se adaptando a esse tipo de moto, mas vamos precisar de tempo e, acima de tudo, entender como fazer isso, fazer a moto fazer o que eu preciso. Vai levar tempo, mas assim que conseguirmos, serei rápido, com certeza", encerrou.

A MotoGP continua com o GP da Itália, em Mugello, no fim de semana dos dias 27, 28 e 29 de maio.

MOTOGP CUMPRE 1/3 DA TEMPORADA 2022 COM BASTIANINI E GRESINI EM EVIDÊNCIA

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade